Delegado é assassinado em São Paulo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de janeiro de 2005 as 09:37, por: cdb

Agentes da equipe D-Leste do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e investigadores da Delegacia do Butantã (51ºDP), por meio de reconstituição e perícia feita no local do crime, trabalham com a hipótese de tentativa de assalto para solucionar a morte do delegado Walter Torres de Abreu, de 42 anos, titular do 38º Distrito Policial, de Vila Amália (zona Norte).

O crime ocorreu na noite de ontem, logo após o delegado estacionar seu veículo, um Audi A-4 preto, na calçada em frente à casa da namorada, na avenida Pablo Casals em Vila Adalgiza, região do Rio Pequeno, na zona Oeste da capital paulista. O delegado, que era divorciado, foi até a casa da namorada após deixar a delegacia, e foi surpreendido por um homem assim que saia do veículo.

A namorada de Walter, que presenciou pela janela a chegada do policial, disse à perícia que o homem que atirou contra Walter usava uma camisa azul e boné e pode ter vindo da rua Padre Paulo Canelles.

O assassino portava um revólver calibre 38. No momento em que o assassino fugia, outro homem, vestindo camisa branca, também correu e ambos sumiram pela avenida. Mesmo levado ao Pronto-socorro do Hospital Universitário, o delegado não resistiu e morreu.

A polícia acredita que o bandido tinha a intenção de levar o carro do policial, mas, ao se aproximar do veículo, percebeu que Walter estava armado. O delegado portava uma pistola calibre 45 e, como precaução, sempre a deixava sob as pernas ao mesmo tempo em que dirigia. A hipótese levantada pela perícia é de que o delegado não percebeu a chegada do criminoso e, antes de sair do carro, ao tirar a arma de sob as pernas, a expôs aos olhos do assaltante, que já estava ao lado do Audi e, ao pensar que o delegado fosse reagir, atirou duas vezes. (Ricardo Valota)