Delegado admite que PMs estão envolvidos com traficantes no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de janeiro de 2005 as 17:32, por: cdb

O delegado Álvaro Lins, chefe da polícia civil do Rio de Janeiro, admitiu nesta sexta-feira que pelo menos seis policiais militares estão envolvidos num esquema de proteção e prestação de serviços a traficantes de drogas como Eduíno Eustáquio de Araújo, o Dudu, preso na noite de révellion. Segundo Lins, além do piloto do governo estadual Lino Ramalheira de Abreu, preso no último domingo, policiais podem ter ajudado Dudu, responsável por uma tentativa de invasão da Favela da Rocinha, a fugir do cerco da polícia durante oito meses de caçada.

A suspeita tem origem em uma investigação realizada em conjunto por várias delegacias há cerca de dez meses com o objetivo de evitar a invasão da Rocinha. Apesar de a guerra entre traficantes ter começado em abril do ano passado, a polícia continuou investigando os traficantes das facções que disputam a favela e interceptou ligações telefônicas deles com policiais.

– Eles se apresentavam a traficantes dos dois lados como policiais e falavam sobre operações da polícia, davam informações privilegiadas e até se ofereciam para ações operacionais em favor do tráfico, como a invasão de uma favela – contou Lins.

A maior parte das informações das gravações era verdadeira. A investigação foi revelada pela inspetora Maringa Magessi, ex-coordenadora do setor de inteligência e atual chefe de investigações da Polinter, e causou desentendimento.

Lins classificou de irresponsável a informação de Marina à imprensa, já que a identidade dos policiais que colaboraram com os traficantes ainda está sendo apurada e o vazamento pode prejudicar o trabalho. A inspetora vai responder a uma sindicância na corregedoria da Polícia Civil.

– Nosso desafio agora é qualificar a identificação deles para pedir a prisão e abrir o inquérito. Com a divulgação, eles podem se livrar dos celulares e de provas. Acredito que, senão todos, vamos identificar vários – disse o delegado. José Vercillo, da Corregedoria Geral Unificada da Secretaria de Segurança, informou que vai abrir um procedimento para apurar o caso.

Namorada 

Policiais da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) detiveram na manhã de hoje (07) uma segunda namorada de Dudu. Além da mulher identificada como Priscila, com quem ele foi encontrar-se em Saquarema na noite em que foi preso

Juliana Márcia de Araújo também mantinha um relacionamento amoroso com Dudu. Ela foi encontrada na casa de um parente, em Jacarepaguá (zona oeste), e levada para a delegacia da Gávea, onde prestou depoimento e foi liberada.

– Nosso objetivo é identificar e prender todos que tenham colaborado com o traficante Dudu. Queremos saber se o contato dela com ele ia além da relação amorosa, como emprestar nome para aquisição de telefones ou alugar imóveis para ele se esconder – justificou Lins.