Realidade de Portugal pontua debate sobre os caminhos da esquerda, no Fórum Socialismo 2011

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de setembro de 2011 as 06:11, por: cdb
PIB
Socialistas reúnem-se para debater os novos caminhos a seguir diante da crise que atinge o PIB de Portugal

Nos próximos sexta, sábado e domingo acontece, na Escola Secundária José Falcão, nesta cidade, o Fórum Socialismo 2011, um espaço aberto de discussão de ideias para a alternativa, com mais de 40 plenários, aulas e workshops sobre Economia, História, Cultura e Política.

Serão servidas refeições na cantina da escola para os participantes e há transporte disponível de Lisboa e Porto, de acordo com o número de interessados. A escola está localizada a cerca de 400m do centro e a 50m da Pousada da Juventude. A iniciativa é gratuita, a entrada é livre, a participação também. A inscrição ainda está disponível, basta enviar os dados para o e-mail socialismo2011@bloco.org.

Crise instalada

O encontro ocorre no momento em que Portugal atravessa um dos momentos mais graves de sua economia, após ver sua dívida atingir o risco máximo. O Produto Interno Bruto (PIB) português estagna (0%) em relação ao trimestre anterior e tem queda de 0,9% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Os dados do PIB português são os piores da União Europeia. Em relação ao trimestre anterior, Hungria e França também ficaram no crescimento zero (Irlanda, Grécia, Luxemburgo e Malta não apresentam dados), mas o de Portugal é o único a apresentar uma redução do PIB quando comparado a 2010.

A última vez que Portugal cresceu, em relação ao trimestre anterior, foi no terceiro trimestre de 2010, com um aumento de 0,3% no PIB. Os dados do Eurostat mostram que o PIB da zona euro e também da UE a 27 cresceu apenas 0,2% no segundo trimestre, em comparação com o anterior. A Alemanha, a maior economia da Europa, apresentou uma variação positiva de apenas 0,1% face ao primeiro trimestre do ano.

A estagnação da economia deve-se à queda do consumo das famílias, que ficou reduzido a 0,2% na zona euro e 0,1% na UE27.

Comments are closed.