Dados de caixas-pretas do voo AF 447 foram recuperados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 16 de maio de 2011 as 10:02, por: cdb
A abertura e a transcrição das caixas-pretas foram efetuadas na presença de uma equipe internacional de investigadores de acidentes aéreos

Os dados das duas caixas-pretas do voo AF 447 da Air France, que caiu no Atlântico em 2009, foram preservados e puderam ser recuperados pelos investigadores franceses durante o fim de semana, anunciou nesta segunda-feira o Escritório de Investigações e Análises (BEA, na sigla em francês), que apura as causas do acidente.

As leituras permitiram recolher a integralidade dos dados contidos no gravador de parâmetros técnicos do voo, como também a integralidade das gravações sonoras das duas últimas horas do voo.

A expectativa é que a análise das informações explique as circunstâncias exatas do acidente com o avião que fazia a rota Rio-Paris quando caiu, em 31 de maio de 2009, matando as 228 pessoas a bordo.

Segundo um comunicado do BEA, a análise do material deve durar várias semanas. Um relatório será redigido e divulgado em julho ou agosto, disse a porta-voz do BEA, Martine Del Bono.

– Esse relatório é preliminar deverá apontar as circunstâncias do voo, mas não revelará ainda as causas do acidente –, disse ela.

As causas do acidente deverão ser anunciadas somente em um relatório final previsto para o primeiro trimestre de 2012.

A abertura e a transcrição das caixas-pretas foram efetuadas na presença de uma equipe internacional de investigadores de acidentes aéreos, entre os quais dois brasileiros do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

Limpeza e recuperação

No fim de semana, os investigadores limparam (retirando vestígios de sal) e secaram os cartões de memória internos das caixas-pretas.

Por se tratarem de provas em uma investigação judicial, a operação foi também acompanhada por um oficial da polícia judiciária francesa.

As duas caixas-pretas permaneceram durante quase dois anos submersas no Atlântico a 3,9 mil metros de profundidade. Elas chegaram na semana passada à França.

Uma das caixas-pretas contém os parâmetros técnicos do voo, como altitude e velocidade, e a segunda grava as conversas dos pilotos ou qualquer outro som emitido na cabine.

Os investigadores franceses também resgataram outras peças do Airbus da Air France, como parte da cabine de pilotagem, o joystick dos pilotos e seus assentos e também os calculadores do motor, que gravam inúmeros parâmetros “preciosos”, segundo o BEA.

O resgate de peças e eventualmente de corpos, se os testes para tentar extrair o DNA das duas vítimas já retiradas do mar forem positivos, deverá ser retomado por volta do dia 21 de maio.