Cruzeiro goleia o Furacão por 4 x 1

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 9 de novembro de 2002 as 19:22, por: cdb

O Cruzeiro fez sua parte, ao derrotar o Atlético-PR, por 4 x 1, neste sábado, no Estádio Independência, em sua terceira vitória consecutiva, mantendo assim as esperanças de classificação às quartas-de-final do Brasileiro. A Raposa atuou com muita raça contra o Furacão, que sem chances na competição e também sem correr riscos de rebaixamento, entrou em campo relaxado e demonstrando pouca motivação.

Com a goleada sobre o Atlético-PR, em um jogo com cinco gols de cabeça, o Cruzeiro chegou a 33 pontos e continua sonhando com a próxima fase do Brasileiro. Para que isso seja possível, o time celeste tem de vencer o Internacional (fora) e o Goiás (em casa), em seus dois últimos compromissos, além de contar com uma combinação de resultados de adversários diretos na briga por uma vaga, como Fluminense, Vitória, Coritiba e Ponte Preta.

O primeiro tempo foi fraco tecnicamente, mas muito movimentado e disputado. Os dois times entraram em campo com esquemas táticos idênticos: 3-5-2, com dois volantes no meio. Outra semelhança foi a ausência dos seus principais homens de criação, os meias Alex, pela Raposa, e Adriano, pelo Furacão, ambos suspensos. Dessa forma, a bola tocada na grama acabou substituída pelo jogo aéreo.

Não faltaram chutões para o alto, trombadas e erros de passe nos 48 minutos iniciais. Com pouca técnica, os gols só podiam sair em bolas altas e foi isso que aconteceu. Os cinco gols foram marcados de cabeça. O que abriu o marcador foi contra. O zagueiro Igor tocou para as redes do seu time, após cobrança de escanteio do lateral-esquerdo Rondineli, que teve participação direta nos três gols celestes.

Se Igor marcou contra, aos 16min, ele se redimiu aos 24min, também de cabeça e após cobrança de escanteio. Mas os torcedores cruzeirenses não ficaram preocupados por muito tempo. Um minuto depois, foi a vez do artilheiro Fábio Júnior marcar o seu 12º gol no atual Brasileiro. Rondinelli, que antes do jogo admitiu que estava devendo uma boa atuação, bateu falta da esquerda e o artilheiro cruzeirense desempatou.

O Atlético-PR, que no início marcava forte e ainda acreditava que podia fazer um bom jogo, demonstrou abatimento com o segundo gol do adversário. Alguns de seus jogadores abusaram de jogadas violentes e o juiz Romildo Correia distribuiu cinco cartões amarelos para os atletas do Furacão. O Cruzeiro continuou dominando e buscando os gols.

A prova disso, foram as 11 finalizações a gol do time celeste, contra apenas cinco da equipe paranaense. Aos 44min, Rondinelli, novamente deslocado pela direita, cruzou alto para a área adversária e encontrou Luisão completamente livre, numa falha de marcação do Atlético-PR, que cabeceou e venceu o goleiro Flávio, que completou 300 partidas com a camisa rubronegra do time do Paraná.

Os jogadores do Furacão deixaram o gramado, no intervalo, reclamando muito da arbitragem, especialmente pelo excesso de cartões amarelos. O zagueiro Wellington Paulo chegou a dizer que o juiz Romildo Correia havia lhe pedido desculpas por errar contra sua equipe. “Mas, independente dos erros do árbitro, temos de corrigir os muitos erros cometidos”, reconheceu o jogador.

E o Atlético-PR voltou para o segundo tempo com uma alteração: a entrada do atacante Dagoberto no lugar do volante Alan Bahia. A mudança do técnico Abel Braga tornou o time paranaense mais ofensivo e logo a 3min, Kléber quase marcou, em um chute de longe, que o goleiro cruzeirense Gomes defendeu com dificuldade. Aos 6min, foi a vez de Dagoberto bater, de primeira, por cobertura, para fora, mas com enorme perigo.

O Cruzeiro, por sua vez, mudou um pouco a sua forma de jogar. Em vez de pressionar o adversário, como fez na etapa inicial, recuou sua marcação, para tentar explorar os contra-ataques. O problema é que alguns jogadores como o meia Wendell e o atacante Marcelo Ramos, voltaram jogando mal e não cumprindo suas funções.

A expulsão do lateral-esquerdo Fabiano, do Atlético-PR, aos 8min, por agredir o lateral-direito