Cruzeiro é campeão mineiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de março de 2003 as 19:51, por: cdb

Após receber a ajuda do rival Atlético-MG, que não passou de um empate com o vice-lanterna Nacional, em casa, o Cruzeiro não desperdiçou a chance de comemorar o seu 30º título mineiro, com uma rodada de antecedência. A Raposa, que precisava vencer a URT, neste domingo, no Estádio Zama Maciel, em Patos de Minas, foi além da sua obrigação e goleou o adversário por 4 x 0, sem dar chance para a zebra.

O Cruzeiro não fez uma grande partida, mas jogou o suficiente para conseguir uma vitória tranqüila e demonstrou muita seriedade. Os jogadores cruzeirenses não se levaram pelo clima de já ganhou. Nem a decisão tomada pela diretoria celeste, antes do jogo, de mandar buscar o troféu em um avião de um conselheiro do clube, influenciou no comportamento da equipe.

A conquista antecipada fez justiça ao time de melhor campanha, desde o início da competição. “Vamos entrar com a mesma determinação de todo o campeonato e com muita humildade acima de tudo”, afirmou o capitão Alex, antes do início da partida, antecipando o espírito do time comandado por Wanderley Luxemburgo.

Se sobrou vontade, faltou futebol, em boa parte do primeiro tempo. O jogo começou muito embolado, com a URT marcando forte, aproveitando as reduzidas dimensões do campo. O primeiro chute a gol aconteceu apenas aos 16min e foi da URT. O atacante Valdo fez boa jogada, driblou o zagueiro Luisão e chutou para boa defesa do goleiro Gomes.

O Cruzeiro, que ainda não havia criado nenhuma jogada de ataque, chegou ao primeiro gol, em um pênalti duvidoso, marcado pelo árbitro Álvaro de Azeredo Quelhas. O colombiano Aristizábal, que começou como titular pela primeira vez, se chocou com Da Silva e foi marcada a penalidade.

Deivid, batedor oficial da Raposa, marcou o gol, aos 19min, apesar da revolta dos jogadores da URT. “Não foi nada. O juiz complicou, inventando esse pênalti”, reclamou o zagueiro Da Silva. “Isso sempre acontece contra os times do interior”, emendou o volante Pedro Luís.

O gol cruzeirense não mudou o panorama do jogo, que continuou embolado e disputado sem grande emoção. Mas a estrela de Aristizábal, que durante a semana brigou com Luxemburgo, brilhou aos 39min, quando fez o segundo gol, de cabeça, após cruzamento de curva do meia Alex. A URT não desanimou e tentou descontar, tendo uma bola na trave, com Ditinho, sem que tivesse êxito.

O segundo tempo começou com os donos da casa querendo estragar a festa cruzeirense. Logo a 1 min, novamente Ditinho chutou a bola na trave de Gomes. Mas o Cruzeiro não se assustou e tratou logo de espantar a zebra, aos 3min. Maurinho lançou Alex, que penetrou e na saída do goleiro Héber – ele havia entrado no lugar do titular Ricardo, contundido – e fez o terceiro do jogo e o 31º gol celeste no Estadual (média de 2,81 por jogo).

Sem estar ameaçado de rebaixamento e também sem chance de brigar por uma vaga mineira na Copa do Brasil do próximo ano, a URT queria pelo menos uma despedida honrosa e partiu para o ataque, esbarrando no goleiro Gomes, que fez duas grandes defesas, aos 7min e aos 9min, ambas em jogadas do atacante Valdo.

Na ânsia de marcar pelo menos um gol, a URT se descuidou da parte defensiva e facilitou a situação celeste, que ameaçava nos contra-ataques. Foi assim que chegou ao quarto gol, aos 18min, em jogada feita por Aristizábal, que deixou o campo logo em seguida, para a entrada de Mota. O colombiano criou o lance, completado pelo lateral-direito Maurinho, consolidando ainda mais o título antecipado.

Luxemburgo aproveitou a definição do jogo e do título para fazer algumas mudanças na equipe, incluindo experiências visando o jogo contra o Corintians de Caicó, pela Copa do Brasil. Depois de começar a partida no 3-5-2, ele testou o esquema 4-3-3, com o ataque formado por Jussiê, Mota e Deivid. Nas arquibancadas do Zama Maciel, a torcida celeste, que era maioria, comemorou intensamente o título antecipado.

URT 0 X 4 CRUZEIRO

URT
Ricardo (Héber), Jairo, Da Silva, Rocha e Peris; Davi, Ped