Cruz Vermelha deve visitar presos em base americana

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de janeiro de 2002 as 17:57, por: cdb

Uma equipe da Cruz Vermelha deve visitar a base americana de Guantánamo, em Cuba, nesta quinta-feira. O objetivo é verificar as condições em que estão sendo mantidos os prisioneiros acusados de pertencer à organização Al-Qaeda, de Osama Bin Laden, e à milícia Talibã. O comandante do campo de prisioneiros, general Michael Lehnert, afirmou que os detidos, que agora somam 80, estão sendo tratados de forma humana. Mas ele acrescentou que os presos “não são boas pessoas”.

Entidades de defesa dos direitos humanos têm criticado a forma como os prisioneiros, mantidos em jaulas a céu aberto, estão sendo tratados.A comissária da ONU para os Direitos Humanos, Mary Robinson, disse que os Estados Unidos devem se lembrar de suas obrigações internacionais em relação a prisioneiros de guerra, como previsto na Convenção de Genebra.

O governo americano não reconhece os detidos como prisioneiros de guerra, o que exigiria o respeito ao que prevê a convenção. Mas Mary Robinson disse que, se há dúvidas sobre o status dos presos, um tribunal deveria ser criado para decidir se eles são ou não prisioneiros de guerra. Washington tem também reafirmado seu direito de julgar os presos em tribunais militares.

O último grupo de 30 detidos chegou à base de Guantánamo na noite de quarta-feira. Eles estavam acorrentados uns aos outros e com os olhos vendados. O general Lehnert disse que as autoridades americanas estão preocupadas com a ameaça à segurança que os presos poderiam representar. “Vários (prisioneiros) declararam publicamente suas intenções de matar um americano antes de deixarem a baía de Guantánamo. Nós não lhes daremos essa satisfação”, afirmou.

O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, disse que o presidente George W. Bush está satisfeito com o tratamento dado ao grupo. “É humano e respeitoso. O presidente está convencido de que eles estão sendo tratados como os americanos gostariam que pessoas fossem tratadas”.

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, disse ter recebido garantias de que os três britânicos mantidos em Guantánamo estão sendo tratados “de forma humana”. O jornal britânico Financial Times informa em sua edição desta quinta-feira que a Grã-Bretanha quer que o Estados Unidos lhe entreguem os três prisioneiros para que eles sejam julgados pela Justiça do país. Dessa maneira, eles não correriam o risco de ser condenados à pena de morte, prevista no caso de julgamentos em tribunais militares americanos.