Crítica recebe com frieza Julia Roberts no teatro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de abril de 2006 as 23:48, por: cdb

A imprensa norte-americana não se impressionou com a atuação de Julia Roberts na peça Three Days of Rain, que estreou na noite desta quarta-feira em Nova York. O espetáculo é uma remontagem da pouco conhecida peça de Richard Greenberg, apresentada pela primeira vez em 1997. A publicação especializada Hollywood Reporter disse, nesta quinta-feira, que a “voltagem da estrela, tão evidente na tela, não parece ter se transferido para o palco”. O crítico do jornal New York Times, por sua vez, disse que a voz de Roberts parece “esganiçada, abrupta e muitas vezes difícil de ouvir”.

A noite de abertura teve a presença de celebridades como Oprah Winfrey, James Gandolfini e Susan Sarandon.

As más críticas, no entanto, não preocupam os produtores da peça – pelo menos no que diz respeito a vendas de ingressos. A bilheteria para a temporada curta, de dois meses, no Bernard B. Jacobs Theatre, já está esgotada. Há informações de que os ingressos estariam alcançando US$ 600 (mais de R$ 1,3 mil) na mão de cambistas.

Durante a pré-estréia, a atuação de Roberts recebeu algumas críticas positivas. A publicação USA Today disse que a atriz provou que é capaz de “se defender” atuando ao lado de veteranos do palco como Paul Rudd e Bradley Cooper, e que Roberts deu ao seu personagem “credibilidade” e uma “doçura engraçada”.

A peça Three Days of Rain é dividida em dois atos. O primeiro, situado em Manhattan, em 1995, mostra o reencontro de dois irmãos, Walker (interpretado por Rudd) e Nan (Roberts) com o amigo Pip (Cooper) após a morte dos respectivos pais. No segundo ato, situado em 1960, os papéis se invertem e os atores interpretam seus pais (no caso de Roberts, a mãe).

Para o crítico do Hollywood Reporter, a montagem é modesta e pouco pretensiosa, oferecendo menos riscos à novata Roberts.

“O resultado, coisa freqüente quando uma grande estrela de cinema ousa caminhar no palco, é respeitável, mas não emociona”, conclui.