Crianças “materialistas” são mais propensas à depressão, diz estudo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de março de 2003 as 10:19, por: cdb

As crianças que equiparam a felicidade ao dinheiro e a fama à beleza são mais propensas a sofrer de depressão do que outras que não dão tanto valor à riqueza e à aparência, de acordo com um estudo realizado na Austrália.

A dra. Helen Street, do Queen Elizabeth Medical Centre, de Perth, disse numa conferência sobre psicologia, na Grã-Bretanha, que o fenômeno pode ser notado até mesmo em crianças de 4 anos, acrescentando que até 20 por cento correm o risco de sofrer da doença no futuro.

Ainda de acordo com Street, as crenças, em uma época da vida tão precoce, sobre felicidade e objetivos poderiam ser um indício, em crianças pequenas, de sua vulnerabilidade à depressão.

“As crianças que pensam que dinheiro suficiente e popularidade trazem a felicidade correm um risco maior de depressão do que aquelas que acreditam que o dinheiro pode ser uma coisa boa de ter, mas que sua felicidade vem de seu desenvolvimento pessoal”, declarou a especialista.

O estudo foi realizado com 402 crianças australianas, com idades entre 9 e 12 anos.

A equipe da dra. Street identificou 16 com sinais de depressão clínica e 112 com risco de sofrer de depressão no futuro.

As crianças foram incentivadas a revelar seus principais objetivos na vida e o que as tornaria felizes. Boas relações com a família e os amigos e se sentir bem consigo mesmas apareceram entre os principais objetivos.

Mas quase 12 por cento disseram que ter muito dinheiro era a coisa mais importante. Essas crianças foram, também, as que apresentaram maior propensão a sofrer de depressão, de acordo com a especialista.

Street aconselhou os pais a permanecerem alertas para possíveis sintomas de depressão em crianças, que incluem mudanças nos hábitos de comer e de dormir, irritabilidade e perda de interesse na escola, nos amigos e nas atividades favoritas.

Os pais devem também, segundo a especialista, ajudar seus filhos a compreender o que é mais provável que as faça mais felizes na vida e que nem tudo gira em torno de fama e dinheiro.