Crianças da Vila Cruzeiro recebem brinquedos doados por policiais civis na Operação Papai Noel

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de dezembro de 2010 as 17:35, por: cdb

Rio de Janeiro – Os moradores da Vila Cruzeiro, zona norte do Rio de Janeiro, assistiram na manhã de hoje (29) a uma operação policial diferente. No local, ao contrário da tensão provocada por confrontos entre agentes do estado e traficantes, crianças esperavam para ganhar presentes.

Foram distribuídos pela Polícia Civil 12.500 brinquedos, entre bolas, carrinhos, bonecas, bambolês e jogos, durante a Operação Papai Noel, na Quadra da Chatuba, local conhecido por abrigar bailes funk promovidos por traficantes.

Pouco depois das 10h, para marcar o início das atividades, um helicóptero da Polícia Civil sobrevoou o local, jogando pétalas de rosas vermelhas. Em seguida, quatro policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e do Serviço Aeropolicial (Saer) desceram da aeronave usando técnicas de rapel.

Parte dos brinquedos chegou à comunidade dentro de um blindado da polícia, conhecido como caveirão. Apesar do susto inicial com a fumaça dos sinalizadores, que foi espalhada pelo vento em função da aproximação do helicóptero, o clima era de felicidade entre os moradores.

De acordo com o secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, embora a ação de hoje tenha um caráter assistencialista, é também emblemática. “Sem dúvida é uma ação assistencialista, mas também emblemática pela data natalina e também porque nessa quadra se fazia apologia à droga e às armas, num local considerado ilha inexpugnável da violência. Agora, a gente vem com essa proposta de paz, com brinquedos”, disse.

O chefe da Polícia Civil, Allan Turnowski, destacou que essa foi a primeira vez que ele entrou na comunidade sem estar trabalhando numa operação policial. Segundo ele, a volta do carinho da população pelos policiais foi o maior presente conquistado durante o ano. “Encontrei as ruas cheias de crianças. Era felicidade pura. Indescritível mesmo. Não podemos recuar, custe o que custar”, afirmou.

Turnowski explicou, ainda, que os presentes distribuídos foram comprados pelos próprios policiais de todo o estado. A ideia inicial era arrecadar 10.500 itens – número que corresponde ao efetivo total de policiais civis do Rio de Janeiro.

Aline Geraldino, de 10 anos, contou que escolheu uma bola para poder jogar queimada com os amiguinhos. “Fiquei muito feliz com meu presente”. Outra moradora da Vila Cruzeiro, a babá Helena Gomes de Oliveira, aproveitou a folga no trabalho e levou os dois netos e três filhos de vizinhos para participar da distribuição dos presentes. Ela disse ter medo da polícia sair da comunidade.

“Aqui era difícil. Agora eu espero que a gente tenha não só um Ano-Novo melhor, mas que seja sempre melhor. Que eles [os policiais] fiquem de verdade e não fiquem só na promessa”, afirmou.

Edição: Lana Cristina