Cresce número de pastoras nas igrejas evangélicas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de janeiro de 2005 as 04:38, por: cdb

As mulheres já somam 20% dos sete mil de pastores nas igrejas evangélicas da capital paulista. O total de mulheres nos púlpitos é uma estimativa do Conselho de Pastores do Estado de São Paulo, que avalia que 2% do total de evangélicos são pastores. Dados do Censo Demográfico de 2000 apontam que 16% da população paulistana, 1,7 milhão de pessoas, se declaram evangélicas.

Segundo o pastor Luis Cali Júnior, há dez anos as mulheres representavam menos de 5% do total de pastores. Para ele, o aumento do número de pastoras é uma resposta ao crescimento da população evangélica na última década. Em 1991, os evangélicos representavam 8% da população de São Paulo.

A socióloga Maria José Rosado Nunes, especialista em teologia feminista, tem outra explicação. Na avaliação dela, o aumento da participação das mulheres no comando das igrejas é um crescimento do movimento de mulheres no país e do maior acesso à formação teológica.

Mas nem todas as instituições aceitam a liderança feminina. Pelo menos 30% do total de igrejas evangélicas não aceitam a ordenação de mulheres pastoras, segundo estimativas do Conselho de Pastores de São Paulo. São as chamadas instituições tradicionais, como a Batista e a Assembléia de Deus