Craig, na pele de James Bond, é bem recebido pela crítica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de novembro de 2006 as 12:11, por: cdb

O ator britânico Daniel Craig, escolha polêmica para representar James Bond no próximo filme da série, Cassino Royale, recebeu críticas iniciais positivas. Os produtores assumiram um risco considerável com Craig, que fãs irritados consideravam muito loiro, muito feio e sem o charme apropriado para servir ao Serviço Secreto de sua Majestade. Mas se os críticos de cinema forem parâmetro, o risco valeu a pena. O experiente ator de 38 anos recebeu boas críticas por revitalizar uma série que algumas pessoas achavam que havia se tornado exagerada e muito dependente de aparelhos modernos.

“É uma ótima estréia. Logo de cara, ele entra com segurança nos velhos sapatos feitos à mão de Sean Connery”, escreveu Sinclair McKay, do jornal Daily Telegraph, resumindo os elogios nos jornais britânicos no fim de semana.

Para Wendy Ide, do Times, “sua principal vantagem fica evidente rapidamente: Ele sabe atuar”. Cassino Royale leva os espectadores de volta ao início da vida de Bond como espião, permitindo ao diretor Martin Campbell fazer mudanças no personagem, o que muita gente gostou.

“Este Bond é muito mais vulnerável que seus antecessores. Ele não somente tem o coração partido, mas também quase morre depois de uma briga”, disse David Edwards, do tablóide britânico Daily Mirror.

Cassino Royale é descrito como um filme mais sombrio e mais direto do que os anteriores da série, além de menos dependente dos aparelhos que ajudam Bond em suas incontáveis escapadas. Somente Tim Adams, da publicação semanal The Observer, escreveu em tom negativo, classificando a cronologia do filme como “complicada” e questionando a decisão de tornar Bond mais real.

– O problema em tornar Bond mais real é que tudo ao seu redor parece mais falso do que o normal – disse.