CPMI discute o que fazer quando convocado se recusar a depor

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de junho de 2012 as 07:50, por: cdb

Os integrantes da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira discutem o que farão nos casos em que as pessoas convocadas para depor obtêm decisão judicial que lhes garante o direito de permanecer em silêncio para não se autoincriminarem.

Desde que o contraventor Carlos Cachoeira ficou horas na comissão ouvindo perguntas em silêncio, os deputados e senadores decidiram que as pessoas com habeas corpus seriam liberadas sem perguntas.

Na reunião de ontem, quando outras duas testemunhas se recusaram a depor, os parlamentares decidiram rediscutir o que fazer nesses casos – se as liberam ou se fazem as perguntas mesmo assim.

Eliane Gonçalves Pinheiro, ex-chefe de gabinete do governador de Goiás, Marconi Perillo, convocada para depor hoje, também obteve na Justiça o direito de permanecer em silêncio.

O jornalista Luiz Carlos Bordoni, que vai depor hoje, já está na sala da CPI. Ele disse que tem documentos e vai confrontar a versão de que o dinheiro recebido da empresa de fachada Alberto & Pantoja Construções teria sido fruto de extorsão contra Cachoeira e não pagamento por serviços prestados à campanha de Perillo em 2010.

A comissão está reunida na sala 2 da ala Nilo Coelho, do Senado.

Continue acompanhando esta cobertura

Tempo real:09:43 – CPMI do Cachoeira ouve jornalista que trabalhou na campanha de PerilloReportagem – Marcello Larcher
Edição – Wilson Silveira