CPI fará acareação de advogados e ex-técnico da Câmara em três etapas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de maio de 2006 as 11:09, por: cdb

A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o Tráfico de Armas decidiu fazer a acareação dos advogados que representam criminosos suspeitos de pertencer ao Primeiro Comando da Capital (PCC) com o ex-técnico de som da Câmara, Arthur Vinicius Pilastre, em três etapas.

Primeiro, serão acareados o advogado Sergio Wesley da Cunha e o ex-técnico; depois a advogada Maria Cristina Rachado será colocada frente a frente com Arthur e por último os três serão interrogados juntos.

Antes de começar a reunião, o presidente da CPI, deputado Moroni Torgan (PFL-CE) disse esperar que a acareação “traga a verdade”. O deputado disse que a Ordem dos Advogados do Brasil e o Judiciário devem tomar providências para que o pedido de prisão dos dois advogados seja cumprido.

– A CPI já fez o seu trabalho e a cada dia têm surgido novas provas contra os dois. Acredito que o Judiciário e a OAB têm de tomar providências.

 Na última terça-feira a CPI pediu a prisão dos advogados por crime de formação de quadrilha e corrupção.

Os advogados são suspeitos de repassar gravações de sessão fechada da CPI ao líder da facção, Marcos Camacho, o Marcola. Eles teriam conseguido as informações com Arthur Vinicius Pilastre, então técnico de áudio da Câmara dos Deputados, que gravou depoimentos de dois delegados, em sessão reservada da Comissão no dia 10, e teria vendido a gravação aos advogados.