CPI do Banco Central desconfia de manobra para privatizar o Banespa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 18 de outubro de 2001 as 16:35, por: cdb

O depoimento do relator da Comissão Parlamentar de Inquérito do Banco Central que apurou a intervenção do Banespa, Carlos José Braz de Lemos, realizado nesta quarta-feira, aumentou as suspeitas de que o BC manobrou para facilitar a privatização do banco paulista. A opinião é de integrantes da CPI do Banespa, em curso no Congresso.

“Está cada vez mais evidente que o Banco Central trabalhou para manter a intervenção no Banespa com o objetivo de privatizá-lo”, afirmou o deputado Ricardo Berzoini (PT-SP).

Em seu depoimento, Braz confirmou que no dia 7 de agosto de 1995 o presidente do BC na época, Gustavo Loyola, e outros diretores do banco, se reuniram com a comissão de inquérito, para então determinarem que a dívida do Estado de São Paulo com o Banespa fosse incluída como crédito em liquidação.

A operação fez com que o patrimônio líquido do banco ficasse negativo. “Sem esta manobra, o relatório da comissão teria sido arquivado e o Banespa devolvido ao seu acionista controlador, o Estado de São Paulo”, observou Berzoini.

Na terça-feira, a CPI do Banespa já havia ouvido, por mais de cinco horas, Paulo Singnorette, um dos integrantes da Comissão de Inquérito do BC. Muito nervoso, ele disse que o relatório foi concluído em agosto de 1995 sem o balanço financeiro do Banespa.

Singnorette informou que a comissão cobrou do Banco Central o balanço, mas nunca recebeu os demonstrativos. Dessa forma, segundo ele, os trabalhos foram baseados em uma carta do Conselho Diretor do Banespa que dizia que o banco apresentava, em 1994, um passivo descoberto ou sem perspectivas de recebimento de mais de R$ 4 bilhões. Essa teria sido uma das razões da Intervenção.

A CPI estranha que, em um relatório preliminar da comissão feito também em agosto, foi constatado que o Banespa não apresentava patrimônio negativo e que o maior devedor do banco, o Estado de São Paulo, já estaria negociando a dívida.

O relator da CPI, deputado Robson Tuma (PFL-SP), reclamou que o depoente estava fugindo das perguntas. O deputado denuncia que os interventores do Banco Central não cumpriram a lei que determinava a elaboração de um balanço financeiro do Banespa logo após a Intervenção.

A CPI também está cobrando do Banco Central mais informações sobre as transações da empresa Veja Sopave para saldar uma dívida com o Banespa de R$ 66 milhões. Os deputados querem saber como essa dívida caiu para R$ 3 milhões. Há suspeitas de que houve irregularidades, como superfaturamento na venda de imóveis da empresa.

Os membros da CPI também aprovaram nesta quarta-feira a convocação de todos os presidentes e diretores das 22 empresas que detinham créditos junto ao Banespa e que não foram quitados. Entre as empresas estão Vasp, Cooperativa Agrícola de Cotia, Mendes Júnior e Veja Sopave S.A.

Foi aprovada na quarta-feira, ainda, a convocação do delegado regional do BC em São Paulo, Carlos Alberto Ferriani, e do subprocurador-geral do BC, Manoel Lucívio Loiola. As informações são da Agência Câmara.