CPI das armas ouve Marcola nesta quinta-feira em presídio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de junho de 2006 as 10:56, por: cdb

Integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Armas estarão em São Paulo nesta quinta-feira para ouvir Marcos Camacho, o Marcola, acusado de liderar a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). O depoimento será realizado no presídio de Presidente Bernardes (SP). O horário não foi divulgado, por segurança.

Na semana passada, os deputados haviam decidido ouvi-lo no Fórum Criminal da Barra Funda, na capital. Porém, segundo relato da deputada Laura Carneiro (PFL-RJ), o secretário da Segurança Pública do estado, Saulo de Abreu, argumentou que seria contraproducente para o trabalho que está sendo feito se Marcola fosse removido do presídio de segurança máxima.

Os deputados Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) e Luiz Couto (PT-PB) foram contrários à alteração do local e argumentaram que uma secretaria de segurança “não pode se curvar a um bandido”. Porém, os deputados Alberto Fraga (PFL-DF) e Raul Jungmann (PPS-PE) afirmaram que a presença de Marcola em São Paulo poderia criar um clima de insegurança e até pânico na população, ainda traumatizada pelos atentados do mês passado.

Já a possibilidade de Marcola ser ouvido nas dependências da Câmara havia sido vetada pelo presidente da Casa, Aldo Rebelo. No dia 22 de maio, ele comunicou ao presidente da CPI do Tráfico de Armas, deputado Moroni Torgan (PFL-CE), que o depoimento não poderia ser tomado na Câmara, por considerar que não seria apropriado para a segurança dos deputados, servidores e visitantes.