Cotação do euro chega ao nível mais alto desde o lançamento da moeda

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de maio de 2003 as 17:03, por: cdb

A cotação do euro chegou ao nível mais alto desde que a moeda foi lançada quatro anos atrás, ao ser negociada a US$ 1,19 no início da tarde desta terça-feira.

Segundo analistas, a alta recorde da moeda européia, que cedeu ao longo do dia, foi provocada por uma corrida por títulos da chamada zona do euro e também pela falta de sinais de que o Banco Central Europeu pretende intervir no mercado para conter a disparada.

Os títulos europeus estão mais atraentes do que os americanos por causa da taxa de juros mais elevada na zona do euro – de 2,5% contra 1,25% nos Estados Unidos.

Além disso, dados econômicos recentes, como a alta do índice de confiança dos empresários alemães na recuperação da maior economia da região, têm levado investidores a apostarem na moeda européia.

Correção

A escalada do euro deve continuar, segundo analistas como Will Rugg, responsável pela estratégia monetária do banco de investimentos MMS International.

Em entrevista, ele disse que a alta vai continuar pelos próximos 12 meses, período em que o dólar continuará enfrentando uma tendência de “desvalorização estrutural” provocada pelo déficit fiscal dos Estados Unidos.

Segundo os analistas, essa onda de valorização do euro e de desvalorização do dólar deve continuar ainda devido à falta de intervenção no mercado pelos bancos centrais europeu e americano.

Em uma entrevista, o economista-chefe do Banco Central Europeu, Otmar Issing, descreveu a disparada da moeda como uma “correção” do baixo valor registrado nos primeiros anos de vida do euro, quando ele chegou a cair para US$ 0,82.

Segundo Issing, o atual valor da moeda européia reflete melhor os fundamentos econômicos da zona do euro.

Por outro lado, as declarações recentes de representantes do governo americano de que o dólar desvalorizado beneficia as exportações do país têm sido interpretadas pelo mercado como um sinal de que o Federal Reserve (o banco central americano) não deve intervir na queda.

O Secretário do Tesouro americano, John Snow, por exemplo, disse que a desvalorização recente do dólar havia sido “modesta”.

Impacto

Analistas esperam que a valorização da moeda produza benefícios econômicos para a zona do euro.

Um euro elevado, e conseqüentemente um dólar mais baixo, barateia as importações e reduz as pressões inflacionárias, por exemplo.

Com isso, o euro forte abre caminho para que o Banco Central Europeu reduza a taxa básica de juros, incentivando o crescimento econômico.

Por outro lado, no entanto, a força da moeda tem um impacto imediato negativo sobre a competitividade das exportações européias, que se tornam mais caras no mercado internacional.

Quando foi lançada a moeda, em janeiro de 1999, a cotação do euro disparou, chegando a US$ 1,18 no dia 4 de janeiro.

Depois disso, a moeda começou a perder valor até chegar ao recorde de baixa de US$ 0,82 no dia 26 de outubro.