Corpo de delegado morto no Rio é velado na Academia de Polícia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 31 de maio de 2003 as 11:17, por: cdb

O corpo do delegado Adalberto Chagas, da 6ª DP (Cidade Nova, zona central do Rio), é velado na Academia da Polícia Civil, na região central. O enterro ocorrerá às 14h, no mausoléu da polícia, no cemitério do Caju, zona norte.

Chagas foi assassinado na noite da última sexta-feira, com um tiro na cabeça, ao tentar impedir que homens armados levassem seu carro na estrada das Paineiras, zona sul.

O delegado seguia para casa com três policiais civis que trabalham com ele quando seu carro foi emparelhado por outros dois veículos.

Dois homens saíram de um dos carros e anunciaram um assalto. O delegado e os outros policiais reagiram, iniciando um tiroteio. Baleado na cabeça, Chagas morreu na hora.

O inspetor Ricardo Wilke, que estava ao seu lado, levou um tiro no tórax e foi encaminhado para o hospital Souza Aguiar (centro). Dois assaltantes morreram e os outros dois conseguiram fugir em um dos veículos. Os outros policiais que estavam no carro com Chagas nada sofreram.

Estácio

Chagas havia assumido a titularidade da 6ª DP há menos de 20 dias, em substituição a Renato Bezerra, que foi afastado sob acusação de que estava sendo ineficiente nas investigações sobre o tiro que atingiu a estudante Luciana Gonçalves de Novaes, 19, no campus do Rio Comprido, zona norte, da Universidade Estácio de Sá, no dia 5.

O delegado presidiu o inquérito que descobriu parte do suposto esquema de lavagem de dinheiro que o traficante mais procurado do Rio, Paulo César Silva dos Santos, o Linho, montou no Estado de São Paulo. Com sua morte, já são 81 o número de policiais assassinados este ano no Estado, sendo 58 nos períodos de folga.