Coréia do Norte faz ameaça aos Estados Unidos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de fevereiro de 2003 as 19:37, por: cdb

A Coréia do Norte alertou que pode lançar um ataque contra as forças americanas se os Estados Unidos continuarem a aumentar sua presença militar na Península da Coréia.

Kim Pyong Gap, funcionário do Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Norte, disse que o governo norte-coreano entrou em alerta com as informações de que os Estados Unidos planejam enviar novas tropas à Coréia do Sul.

De acordo com Kim, as autoridades norte-coreanas vão encarar a medida como uma prova de que os Estados Unidos planejam atacar ou invadir a Coréia do Norte.

O representante norte-coreano afirmou ainda que, se necessário, a Coréia do Norte poderia decidir lançar um ataque contra as forças americanas como medida de precaução.

Programa nuclear

Na quinta-feira, o governo norte-coreano anunciou a reativação de seu programa nuclear e afirmou que sua usina está operando em ritmo normal.

As autoridades norte-coreanas declararam ainda que, “no presente momento”, vão utilizar a usina de Yongbyon para produzir eletricidade.

No entanto, os Estados Unidos dizem que o reator é muito pequeno para produzir quantidades significativas de energia.

O governo americano teme que a Coréia do Norte esteja planejando produzir armas nucleares com plutônio.

Tensões

De acordo com analistas, a reativação da usina de Yongbyon poderia fazer parte de uma estratégia de alto-risco para forçar os Estados Unidos a assinarem um pacto de não-agressão.

As tensões entre os dois países aumentaram desde outubro do ano passado, quando o governo americano decidiu suspender o envio de óleo para Pyongyang, alegando que a Coréia do Norte admitiu ter reativado seu programa nuclear.

Como parte do acordo feito em 1994, em troca da desativação de seus programas nucleares, a Coréia do Norte passaria a receber combustível dos Estados Unidos.

Em uma retaliação, a Coréia do Norte se retirou do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares no início deste ano.