Coréia do Norte condena sanções aprovadas pela ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 15 de outubro de 2006 as 12:07, por: cdb

A Coréia do Norte condenou a resolução do Conselho de Segurança da ONU que impõe sanções econômicas ao país por causa do suposto teste nuclear que Pyongyang afirma ter realizado.

O embaixador da Coréia do Norte disse que o conselho agiu como um bando de “gângsteres” e que qualquer outra pressão por parte dos Estados Unidos será vista como “uma declaração de guerra”.

A resolução 1718, que foi aprovada por unanimidade pelos 15 integrantes do Conselho de Segurança, inclui uma proibição à importação de vários itens militares e impõe sanções financeiras, mas não prevê o uso de força militar.

O futuro secretário-geral da ONU, o sul-coreano Ban Ki-moon, disse à BBC que, caso seja necessário, está preparado para viajar a Pyongyang para ajudar a acalmar a crise.

‘Reservas’

A resolução impondo sanções à Coréia do Norte foi aprovada neste sábado e logo após a votação o enviado do país à reunião, Pak Gil Yon, condenou a decidesão do Conselho de Segurança.

– É uma atitude de gângsteres a decisão do Conselho de Segurança de adotar hoje uma resolução coercitiva enquanto negligencia as ameaças e as ações por sanções e a pressão dos Estados Unidos – disse Yon.

A resolução foi bem-recebida internacionalmente, mas analistas ressaltam que a barganha diplomática intensa sobre a escala e a natureza das sanções ficou evidente.

A China disse ter “reservas” em relação ao controle de cargas de navios norte-coreanos e a Rússia disse que as sanções não podem ser consideradas indefinidas.

Os dois países disseram estar temerosos de que as inspeções de carga permitidas pela resolução possam levar a confrontos navais com navios norte-coreanos.

Segundo o correspondente da BBC em Pequim Jonathan Marcus, o governo chinês está preocupado com a estabilidade da Coréia do Norte e não quer abrir caminho para nada que pareça um bloqueio naval ao país.

Aplicação das sanções

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que a ONU deu um passo “imediato e forte” para mostrar sua determinação de manter a península coreana livre de armas nucleares.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que seu país já estava considerando mais medidas punitivas contra Pyongyang.

Seu governo já tinha imposto algumas sanções de forma unilateral na última quarta-feira, suspendendo todas as importações norte-coreanas e proibindo a entrada de navios do país em águas japonesas.

Negociações internacionais devem se intensificar nos próximos dias, quando os governos devem discutir as ações práticas para implementar as sanções.

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, deve visitar o Japão, a Coréia do Sul e a China nesta semana para discutir os detalhes da implementação das restrições.

A ONU também vai ter de determinar formas de controlar o funcionamento do regime de sanções.

O ministro do Exterior da Coréia do Sul afirmou que vai honrar as novas sanções e pediu para que o Norte retorne às negociações entre seis nações sobre seu programa nuclear.

O enviado russo à reunião do Conselho de Segurança, Alexander Alexeyev, que se reuniu com Pyongyang antes de viajar a Seul, disse que os norte-coreanos disseram que não se recusam a voltar às conversas.

– O lado norte-coreano insistiu repetidamente que o processo de seis nações deveria continuar – disse Alexeyev segundo a agência de notícias Interfax.

Sinais de fome

Organizações humanitárias disseram estar preocupadas com a possibilida