Copom sinaliza com mais lentidão na queda dos juros

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de março de 2007 as 11:10, por: cdb

A manutenção da inflação nos níveis atuais e a consolidação do cenário de estabilidade na economia contribuem para a “continuidade do processo de redução progressiva da percepção de risco”, e isso abre espaço para juros reais menores, no futuro. É o que destaca a ata dareunião que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central realizou na semana passada, quando baixou a taxa básica de juros (Selic) de 13% para 12,75% ao ano. Foi a segunda vez que a redução ficou em 0,25 ponto percentual, e tudo leva a crer que o BC manterá essa tendência nas próximas reuniões do Copom.

Isso porque, de acordo com a ata, distribuída nesta quinta-feira, “a atuação cautelosa” tem sido fundamental para que a inflação evolua segundo a trajetória de metas traçada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O documento cita que as perspectivas de inflação “permanecem benignas”, mas adverte que para isso se traduzir em resultados efetivos é preciso que “a flexibilização monetária seja conduzida com parcimônia”.

A afirmativa reforça a tendência de manutenção da “calibragem” de 0,25% nas seis reuniões que o Copom terá ao longo do ano. A ata repete a constatação de “cenário benigno”, que permanece favorável, aqui e no exterior, embora alerte para a existência de instabilidade e novas fontes de incerteza, sem entrar em detalhes. A performance de declínio da economia norte-americana e as recentes mudanças de humor da bolsa chinesa seriam a origem dessas incertezas, segundo o Copom.

A ata menciona, as elevações das taxas de juros nas economias industrializadas e o recente, “e possivelmente temporário”, aumento de volatilidade (variação de preços de investimentos ou de índices debolsas de valores) nos mercados globais, que culminou com quedas significativas no mercado de ações do mundo inteiro, a partir de turbulência na bolsa da China. Apesar dessa instabilidade, o Copom acredita que as perspectivas definanciamento externo para a economia brasileira continuam favoráveis,uma vez que atribui “baixa probabilidade a um cenário de deterioraçãosignificativa” nos mercados financeiros internacionais.

Nesse contexto,o colegiado de diretores do BC reafirma que o principal desafio reside em garantir a consolidação das expectativas favoráveis que se antecipampara o futuro.