Consumo de carne brasileira cresce na Europa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 15 de agosto de 2001 as 20:55, por: cdb

O surto de febre aftosa e de vaca louca nos países europeus deve ampliar em 32% neste ano as exportações de carne do Brasil, segundo previsão da Associação Brasileira da Indústria dos Exportadores de Carne (Abiec).
De acordo com os dados da Abiec, até o final de 2001, o Brasil deve exportar 750 mil toneladas de carne “in natura” e industrializada, gerando uma receita de US$ 1 bilhão.
No ano passado, o Brasil exportou 570 mil toneladas, o que correspondeu a US$ 804 milhões.
“O Brasil tem conquistado tradicionais clientes da União Européia (UE), como os países do Leste Europeu e do Oriente Médio”, comemorou hoje o diretor-executivo da Abiec, Ênio Marques à Agência Lusa.
Os principais novos destinos da carne brasileira são a Bulgária, Israel e Arábia Saudita, além da Rússia, que começará a receber, nos próximos dias, os primeiros embarques de carne do Brasil.
Segundo ele, o mercado da UE praticamente continua fechado à carne brasileira, em função dos subsídios concedidos aos produtores europeus, o que torna o preço do produto cerca de 20% inferior aos praticados no mercado internacional.
Dados da Abiec revelam que a Europa importa 5% da carne que consome. Desse total, 80% vêem dos países que formam o Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai).
Apenas no primeiro semestre deste ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a exportação de carne bovina “in natura” cresceu 50,5%, em comparação a igual período do ano passado.