Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência ganha nova estrutura para suas atividades

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012 as 10:11, por: cdb

Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência ganha nova estrutura para suas atividades

O Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (CMPD), órgão que representa pessoas com deficiência junto à Prefeitura de São Paulo, ganhou um novo espaço com melhor disposição de salas, com acesso e mobilidade planejados com ajuda da equipe de arquitetos da Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA).

O Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (CMPD), órgão que representa pessoas com deficiência junto à Prefeitura de São Paulo, tem agora um novo espaço para suas atividades. Após reforma nas suas instalações, realizada pela Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED), a equipe passa a ter uma melhor disposição de salas, com acesso e mobilidade planejados com ajuda da equipe de arquitetos da Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA).

 

O evento teve a presença do promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo, Julio Botelho, que reconheceu a importância do Conselho e destacou o que significa essa nova condição para conselheiros e equipe de profissionais e os desafios que cabem a eles. “A reforma foi aprovada pela Secretaria, que entendeu as necessidades do Conselho, mas agora a equipe tem uma estrutura melhor, que inclui transporte, computadores e Recursos Humanos e por isso será mais cobrada”, explicou.

 

O secretário municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida disse que a nova estrutura do CMPD é resultado de um esforço dos próprios conselheiros, do Ministério Público e da SMPED: “Não fizemos nada além da nossa obrigação”, afirmou.

 

A presidente do CMPD, Sandra dos Santos Reis, aprovou a novidade e agradeceu aos presentes, em especial aos demais representantes da SMPED.

 

O CMPD, como órgão de representação das pessoas com deficiência perante a Prefeitura de São Paulo, tem a função de elaborar, encaminhar e acompanhar a implementação de políticas públicas de interesse dessa parcela da população nas áreas de saúde, educação, trabalho, habitação, transporte, cultura, esportes e lazer. Ele é composto por 14 conselheiros, divididos entre sete titulares (em sistema de revezamento) e sete suplentes, dois funcionários, quatro estagiários e um advogado com deficiência visual contratado há dois meses. Do total de 21 pessoas que o integram, 12 têm algum tipo de deficiência.