Conselho de Saúde entra na discussão sobre postos da Zona Oeste do Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de outubro de 2003 as 12:07, por: cdb

O Conselho Municipal de Saúde entrou na questão que mobiliza, há uma semana, o atendimento à população na Zona Oeste do Rio de Janeiro, uma das mais populosas do município. Por decisão majoritária, resolveu encaminhar denúncia ao Ministério Público pedindo a investigação do contrato firmado entre a Secretaria Municipal de Saúde e a MedicalCoop Cooperativa de Assistência Médica – empresa que fornecerá mão-de-obra a postos de Saúde da Zona Oeste. A empresa substituirá a Cooperar Saúde, que há sete anos realizava o serviço. Alegando emergência, a secretaria assinou contrato sem licitação, no valor de R$ 5.656.706,04.

“Por lei, a contratação tinha de passar pela votação do Conselho. Todos sabiam que o contrato com a Cooperar acabaria. Não era emergência”, disse Getúlio Gomes da Rocha, integrante da executiva do órgão. Funcionários da Cooperar protestaram ontem em frente à prefeitura.

O vereador Mario Del Rei (PMDB) pedirá explicações ao município. “Essa forma de contratação é imoral. A MedicalCoop enfrenta problemas na Justiça”, denunciou. A empresa está sendo processada pelo Ministério Público do Trabalho, Laboratório Dr. Eliel Figueiredo, pelos bancos ABN AMRO Real e Unibanco.

Diretor da cooperativa, Carlos Maurício Medina Gallego garantiu a idoneidade da empresa: “Somos só um grupo de médicos, trabalhamos duro”. Ele informou que até domingo o atendimento será normalizado. “Não conseguimos contratar 900 profissionais de uma hora para outra”.