Conselho da PUC-SP suspende posse de reitora contestada por alunos e docentes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de novembro de 2012 as 16:48, por: cdb

Conselho da PUC-SP suspende posse de reitora contestada por alunos e docentes

Reitor interino ficará no cargo até 12 de dezembro

Por: Redação da Rede Brasil Atual

Publicado em 28/11/2012, 18:39

Última atualização às 18:39

Tweet

A decisão de dom Odilo provocou greve e protestos como o de ontem, com a participação do diretor Zé Celso (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

São Paulo – O Conselho Universitário da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) suspendeu hoje (28) a posse da reitoria da professora de Letras Anna Cintra, que deveria ocorrer amanhã. O órgão colegiado da instituição, composto por professores e por representantes dos estudantes, é o responsável por encaminhar ao presidente da Fundação São Paulo (Fundasp), o cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, a lista tríplice com os candidatos à reitoria da universidade. A Fundasp é a mantenedora da PUC-SP, e, no regimento da universidade, é o cardeal quem escolhe o reitor. O conselho, entretanto, impugnou a candidatura de Anna.

Em seu lugar, foi nomeado como reitor interino até o dia 12 de dezembro o conselheiro Marcos Tarciso Masetto. O conselho julgou que Anna cometeu uma quebra de decoro, já que, durante as eleições, todos os candidatos assinaram um termo em que se comprometiam a não assumir o cargo caso fossem nomeados sem a maioria dos votos. Mesmo assim, ela aceitou a indicação do cardeal.

Na reunião do conselho, que teve início essa manhã, 14 conselheiros votaram a favor da suspensão, e sete, contra.

Resta saber se Scherer respeitará a decisão do conselho.  No dia 13 deste mês, ele havia apontado Anna, a candidata à reitoria que recebeu o menor número de votos da comunidade acadêmica, entre professores, estudantes e funcionários. Sua nomeação provocou uma greve geral na universidade.

Desde 1980, quando Dom Evaristo Arns ocupava a presidência da Fundasp, o regimento da PUC-SP prevê que o reitor escolha quem rege a universidade, a partir de uma lista tríplice de candidatos ao cargo mais votados pelos estudantes, professores e funcionários. Tradicionalmente, o presidente nomeia o mais votado, mas dessa vez, o cardeal não seguiu esse critério. Para os centros estudantis da universidade, a escolha do cardeal se deve a um desejo da Igreja de reorientar a instituição ao catolicismo.