Congresso interrompe sessão para formalizar vitória de Bush

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de janeiro de 2005 as 19:40, por: cdb

O Congresso norte-americano começou a formalizar na quinta-feira a vitória do presidente George W. Bush na eleição de novembro, mas alguns democratas obstruíram temporariamente a sessão devido a supostas irregularidades no Estado de Ohio.

A objeção foi formalmente apresentada pela senadora Barbara Boxer e pela deputada Stephanie Tubbs-Jones, que disseram não querer mudar o resultado das urnas, mas obrigar o Congresso a debater mais reformas eleitorais no sentido de uniformizar as votações nos Estados.

“Esta objeção não tem em sua raiz a esperança ou mesmo a insinuação de reverter ou desafiar a vitória do presidente”, disse Tubbs-Jones. Para Boxer, trata-se de uma questão de “justiça eleitoral”.

Devido à iniciativa das parlamentares, a Câmara e o Senado tiveram de suspender a sessão conjunta, que normalmente é uma mera formalidade repetida a cada quatro anos. Como os republicanos controlam ambas as Casas e poucos democratas se animaram a participar do protesto, a contagem dos votos do Colégio Eleitoral deveria ser retomada mais tarde na quinta-feira, depois que a objeção for examinada.

O senador John Kerry, derrotado por Bush nas urnas, não aderiu à iniciativa. Em viagem ao exterior, ele divulgou uma nota lembrando que admitira a derrota, mas que vai continuar apoiando “um minucioso exame das irregularidades eleitorais em Ohio e outros lugares, porque isso é crítico para a nossa democracia”.

Cerca de 200 manifestantes, entre eles o reverendo Jesse Jackson, se reuniram batendo bumbos perto do Congresso e pedindo aos parlamentares que não formalizem a reeleição de Bush, por conta de urnas eletrônicas que não seriam confiáveis e da suposta influência de autoridades eleitorais republicanas na disputada eleição de Ohio, que garantiu a vitória do presidente.

Em entrevista coletiva, Tubbs-Jones e Boxer citaram vários problemas em Ohio, como a rejeição de votos provisórios, as longas filas e a falta de urnas eletrônicas em bairros periféricos onde Kerry era favorito.

Mas um dos dois senadores de Ohio, o republicano Mike DeWine, disse que as queixas são “loucas, incoerentes e completamente infundadas”.

Na eleição de 2000, decidida pela Suprema Corte após uma extenuante recontagem na Flórida, nenhum senador tentou obstruir a vitória de Bush. Boxer disse que se arrepende até hoje de não tê-lo feito.