Conflitos impedem presidente do Sudão visitar o Sudão do Sul, independente há oito meses

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de março de 2012 as 05:53, por: cdb

Emerson Penha*
Correspondente da EBC na África

Maputo, Moçambique – O presidente do Sudão, Omar Hassan Al Bashir, cancelou a visita agendada para Juba, no Sudão do Sul. A previsão da viagem era para a próxima semana. Em julho do ano passado, foi formalizada a divisão do Sudão – Sudão e Sudão do Sul. Mas os conflitos étnicos, religiosos e econômicos permaneceram. O clima na região é de guerra, como admitiu Al Bashir.

“O clima está mais para a guerra do que para a paz”, disse Al Bashir, confirmando o cancelamento da visita. Para o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, o governo de Al Bashir é responsável pelos bombardeios a várias cidades do país, principal na região, onde há reservas de petróleo.

Há relatos de conflitos entre militares dos dois países na fronteira, com troca de tiros e ataques de parte a parte. Com a independência no ano passado,  o Sudão do Sul ficou com 75% das reservas de petróleo do antigo Sudão.

Porém, o Sudão do Sul não tem saída para o mar e a exportação do óleo depende de negociações com o governo do Sudão, que ficou com o controle dos portos e oleodutos. Sem acordo entre os dois governos, o Sudão do Sul não consegue exportar.

O Sudão do Sul é considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) o país mais pobre do mundo, com níveis de analfabetismo acima de 80%. Há escassez de escolas públicas e não existem serviços públicos de saúde e saneamento básico. O país tem cerca de 9 milhões de habitantes. No Sudão, vivem 39,3 milhões de pessoas.

*Colaborou Renata Giraldi, de Brasília//Edição: Graça Adjuto