COnflito entre rebeldes e Exército mata 18 na Colômbia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 25 de junho de 2003 as 09:22, por: cdb

Treze soldados do Exército colombiano e cinco rebeldes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) morreram durante uma emboscada armada pelos rebeldes de esquerda contra os militares, no norte do país.

Segundo o correspondente da BBC na Colômbia Jeremy McDermott, os rebeldes atacaram uma unidade de patrulha com metralhadoras e tiros de morteiro na província de Bolívar.

A província foi designada pelo presidente colombiano, Álvaro Uribe, como uma das áreas que o Exército deveria concentrar seus esforços, tomando-a do controle dos rebeldes.

O correspondente da BBC disse que o investimento do governo na área da Defesa fez com que a segurança na província aumentasse nos últimos meses, mas os guerrilheiros continuam se recusando a abandonar as armas.

Linha dura

McDermott disse que os rebeldes das Farc esperaram até que o último veículo do comboio militar entrasse na área escolhida para realizar a emboscada, e então abriram fogo.

Os soldados revidaram e conseguiram escapar da zona de maior perigo, mas 13 não sobreviveram ao combate. Outros oito ficaram feridos.

Desde que assumiu o poder, o presidente Álvaro Uribe adotou uma postura linha dura em relação aos rebeldes e, com o apoio de verbas dos Estados Unidos, tem investido pesadamente na área da Defesa.

Segundo pesquisas de opinião, a maioria dos colombianos aprova a postura de Uribe – que gozaria do apoio de mais de 60% da população.

Mas os cerca de 17 mil rebeldes das Farc, que lutam há 39 anos no país, permanecem escondidos em seus redutos nas montanhas e optaram por realizar ataques ocasionais, evitando contato direto e constante com os soldados do país.

O correspondente da BBC acredita que isso tudo leva a crer que a violência na Colômbia deve continuar – e talvez até aumentar.