Confiança no setor de serviços sobe 3,2% em novembro, diz FGV

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de novembro de 2012 as 10:11, por: cdb

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 3,2% em novembro na comparação com outubro, ao passar de 121,5 pontos para 125,4 pontos, registrando a terceira alta seguida, informou a Fundação Getulio Vargas nesta terça-feira.

Serviços
O índice registra 3ª alta consecutiva

Em outubro, o indicador havia avançado 0,5%.

– Após uma terceira alta consecutiva, o índice confirma a aceleração gradual do setor ao superar, pela primeira vez desde maio deste ano, sua média histórica – disse a FGV.

O Índice da Situação Atual (ISA-S) registrou alta de 4,5% em novembro ante outubro, contra recuo de 3,3% anteriormente.

– O avanço expressivo no ISA-S, que atingiu 105,0 pontos em novembro, sugere que as expectativas mais positivas dos dois meses anteriores finalmente se refletem na melhora na percepção do setor sobre a situação atual, embora o índice permaneça abaixo da média histórica de 111,2 pontos – completou a FGV.

O quesito que mede o volume da demanda atual foi o que mais contribuiu para o resultado do ISA-S entre novembro e outubro, apresentando alta de 4,6%.

A proporção de empresas que percebem a demanda atual como boa passou de 13,7% para 17,4% entre outubro e novembro, enquanto a parcela das que a consideram ruim caiu de 20,9% para 20,3%.

Por sua vez, o Índice de Expectativas (IE-S) mostrou avanço de 2,3% em novembro, ante alta de 3,3% em outubro.

No IE-S, a principal influência para o resultado de agosto veio do indicador que mede o grau de otimismo dos empresários em relação à demanda prevista nos meses seguintes, com elevação de 4,2% em novembro frente a outubro.

A proporção de empresas que preveem uma demanda maior aumentou de 43,6% para 48,4%, enquanto a parcela daquelas prevendo piora neste quesito diminuiu de 4,3% para 3,2%.

O quesito tendência dos negócios para os próximos três meses aumentou 0,5%, com a proporção de empresas prevendo uma situação melhor passando de 48,4% para 50,2%, enquanto a parcela das que esperam uma piora neste quesito aumentou de 2,9% para 4,0%.

Ainda nesta terça-feira, a FGV informou que a confiança da indústria recuou 0,8% em novembro em relação ao registrado no final do mês anterior.