Concorrência reduz o preço da telefonia celular

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de setembro de 2001 as 17:16, por: cdb

Aumento da demanda como conseqüência da redução de preços de terminais e serviços. Estas são algumas das conclusões apresentadas pelo relatório da IDC Brasil sobre o tamanho do mercado de telefonia celular brasileiro. De acordo com o relkatório, 23,2 milhões de brasileiros já utilizam o serviço móvel celular desde o ano passado e o total de usuários deve chegar perto dos 64,5 milhões até 2005, o que aponta para uma taxa de penetração de 36%.

Segundo a analista de mercado da IDC Brasil, Andrea Renger, o aumento acontece principalmente pelo crescimento da competição com a entrada das novas operadoras, que prometem uma redução significativa no custo do serviço, motivando assim uma maior demanda de uso de terminais celulares.

“Outro fator que detectamos é um maior foco no setor corporativo, que ainda é pouco explorado. Hoje existem apenas dois planos básicos: pós-pago e descontos conforme o número de aparelhos locados. As operadoras deverão criar planos mais atrativos para o segmento empresarial”, enfatiza Andrea.

De acordo com o estudo, com o movimento de fusões e aquisições, que tendem a intensificar-se ao longo dos próximos dois anos, o mercado deverá assistir até 2005 a uma concentração com apenas quatro grandes grupos atuando no mercado de telefonia celular, sendo que a entrada das operadoras das bandas D e E deve alcançar uma penetração de 5% ou 9,7 milhões de assinantes. Já as operadoras das bandas A e B deverão contar com 54,8 milhões de assinantes daqui a quatro anos, o que representa uma penetração de 30%.

O relatório mostra ainda que a receita do setor deve saltar dos US$ 7,4 bilhões registrados em 2000, para US$ 16,3 bilhões, em 2005. “Ao contrário do que possa parecer, este crescimento não é sinônimo de bom desempenho. A tendência mundial de queda é verificada também no Brasil e parte da estratégia das operadoras é reverter este quadro com a oferta de serviços de valor agregado”, observa a analista de mercado.