Comunidade do Cordeiro de Farias conhece o BRT

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de fevereiro de 2012 as 06:42, por: cdb

Ana Cláudia Martins/Fotos:Elivaldo Pamplona

O BRT – Modelo de Transporte Rápido foi apresentado aos moradores do Cordeiro de Farias nesta segunda-feira (27). A comunidade conheceu o mais novo corredor viário que será implantado pela Prefeitura de Belém (PMB) e ligará o distrito de Icoaraci ao bairro de São Brás.

Os técnicos da Prefeitura explicaram como irá funcionar o BRT, quais as suas vantagens e esclareceram todas as dúvidas dos moradores. Após a apresentação a comunidade foi ouvida e os técnicos coletaram opiniões e sugestões que vão ajudar no desenvolvimento do projeto para garantir melhorias no transporte público.

A Prefeitura está realizando reuniões sobre o BRT em várias comunidades. A apresentação mostra aos moradores o projeto básico, que pode ser modificado se for necessário. “Acreditamos que o diálogo com a comunidade é a melhor maneira de implantar o BRT, assim todos ficam felizes”, explica Leonardo Lopes, coordenador de engenharia da Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE).

O diálogo com a comunidade tem dado certo e os moradores estão aprovando. “A PMB está de parabéns porque está apresentando um projeto antes de lançá-lo, fazendo diferente de outros projetos que só foram lançados na Câmara Municipal, por exemplo. Agora vocês estão vindo até nós moradores e ficamos felizes com isso. O BRT é um modelo de transporte que já vem sendo usado em outras capitais e acredito que trará muitos benefícios para a população”, disse Max Leal, morador da Comunidade Vitória, no bairro do Tapanã.

O BRT é um modelo de transporte rápido sobre canaletas, já usado em outras capitais brasileiras e em mais 170 países. É formado por um corredor de ônibus exclusivo, garantindo agilidade no trânsito e beneficiando os usuários do transporte público, que chegam mais rápido ao seu destino. O tempo de viagem no transporte público deverá cair pela metade.

O projeto prevê três estações. Uma em São Brás, outra no Entroncamento e a última em Icoaraci. O sistema,com capacidade para atender aproximadamente 45 mil passageiros por hora, deverá atender toda a Região Metropolitana de Belém (RMB).
Ao todo serão 20 quilômetros de pistas, monitoradas pelo Centro de Controle Automatizado. O transporte será feito em frota de modernos ônibus articulados,com capacidade para 250 passageiros cada.

O sistema de transporte rápido não acarretará custos adicionais para a população, que continuará pagando a tarifa normal, além de poder usufruir de transporte público de qualidade.

Reginaldo Felício, morador da Comunicade Parque do Tapanã, tem acompanhado as matérias veiculadas sobre o BRT e agora teve a oportunidade de conhecer de perto o novo modelo de transporte que será implantado na capital. “O BRT vem em um ótimo momento, em que há um estrangulamento do trânsito, com muitos engarrafamentos, o que atrasa muito a vida de nós trabalhadores. A viagem da minha casa até o trabalho chega a durar até duas horas de ônibus, mas com o BRT esse tempo diminuirá até 60%. Esses e outros benefícios tive a oportunidade de conhecer agora durante essa apresentação”, concluiu o morador.

Histórico – Há mais de dez anos a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) realizou um estudo de transporte urbano na Região Metropolitana de Belém, em parceria com a Prefeitura Municipal de Belém (PMB) e Governo do Estado. A partir desses estudos a PMB desenvolveu os projetos básicos nas avenidas Augusto Montenegro e Almirante Barroso, que são os principais corredores viários do município de Belém.

O projeto visa o desenvolvimento urbano da cidade, trazendo melhorias para a população de Belém, como a diminuição dos engarrafamentos e mais agilidade ao trânsito, tanto para os usuários do transporte público como para os carros particulares.

A previsão de duração das obras é de 18 meses, e o sistema custará 400 milhões de reais, com aporte de recursos do Governo Federal. Estudos mostram que, para Belém, essa é a melhor opção em relação, por exemplo, à construção de um metrô, que é obra de alto impacto ambiental. Os sistemas BRT têm demonstrado grande potencial para reduzir as emissões de gás carbônico (CO²).