Compradores e distribuidoras invadem Festival de Cinema Sundance

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 30 de janeiro de 2005 as 10:19, por: cdb

Os negócios andaram a mil na edição 2005 do Festival de Cinema Sundance. Entre cansaço e satisfação, o organizador do evento, Geoff Gilmore, enumerou os filmes que já foram vendidos ou estão prestes a sê-lo, incluindo longas-metragens, documentários e outros. O festival termina no domingo.

Os negócios fechados incluem grandes negócios no caso do drama sobre hip-hop “Hustle & Flow” (comprado pela Paramount por 16 milhões de dólares) e o thriller “The Matador” (Miramax, por 7,5 milhões), além dos documentários “The Aristocrats” e “Emperor’s Journey”.

Além disso, foram vendidos por valores menores o britânico “On a Clear Day“, o thriller psicológico “Hard Candy” e “Strangers With Candy“.

Os agentes de companhias menores sempre foram presença constante em Sundance, graças às muitas festas que acompanham o evento, mas este ano havia mais deles do que nunca, e trabalhando de maneira mais ostensiva.

A agência William Morris anunciou sua presença numa mansão no alto de uma colina, com sala de ginástica e salas repletas de lingerie para candidatas a celebridades. A International Creative Management ofereceu um jantar para 200 pessoas. Os executivos da Young Creative Artists Agency passaram noites e dias no festival assistindo a todos os filmes em busca de novos talentos.

A outra grande mudança este ano foi o foco mais global adquirido pelo festival. Gilmore criou uma competição de Cinema Mundial, abrangendo longas e documentários, e também um escritório de vendas para atrair agentes de vendas estrangeiros a Sundance.

Como sempre, o festival também proporcionou uma visão do estado em que se encontra o setor do cinema independente. Fica claro que sucessos que surgiram em Sundance como “Garden State”, “Mar Aberto” e “Napoleon Dynamite” intensificaram o interesse dos grandes estúdios pelas produções independentes.

De acordo com Cathy Schulman, ex-programadora de Sundance e atual executiva cujo estúdio Bull’s Eye Entertainment produziu “Thumbsucker“, várias subdivisões de grandes estúdios estão aderindo ao cinema independente.

A Paramount Classics está se convertendo em algo novo e revigorado (e deve inclusive mudar de nome). “Hustle & Flow” não foi apenas um filme adquirido pela nova parceria Paramount/MTV: foi um aviso dado à comunidade de Hollywood de que há uma nova organização atuando no setor. Ainda não foi definida a forma exata que terá o “mini-major”, ou “pequeno grande estúdio”.

A Paramount Classics também adquiriu o documentário “Mad Hot Ballroom,” exibido no festival Slamdance.

Outro jogador inesperadamente ativo no cenário de Sundance foi o selo de filmes especiais da DreamWorks, Go Fish, que se envolveu com “Chumscrubber“, exibido em Sundance e que será lançado pela Newmarket Films.

Uma ausência que se fez notar nas negociações sérias foi a da atual rainha das mini-majors, a Fox Searchlight. Tendo recebido cinco indicações ao Oscar na terça-feira, incluindo uma para melhor filme por “Sideways — Entre Umas e Outras“, a Searchlight não parece precisar de Sundance, já que frequentemente é a primeira a ter a chance de escolher novidades independentes, graças a seu triunvirato formado por Peter Rice (novos talentos e negócios), Steve Gilula (distribuição) e Nancy Utley (marketing).

Quanto à Miramax, seu futuro continua em dúvida, já que seus presidentes Harvey e Bob Weinstein querem romper com a Disney, sua empresa-mãe. Mas os irmãos Weinstein disseram a cineastas que vão conservar os direitos de consultoria sobre qualquer filme da Miramax.

Seja como for, a empresa escolheu a dedo dois dos trabalhos mais comerciais exibidos em Sundance: o terror australiano “Wolf Creek” e o thriller “The Matador“, com Pierce Brosnan.

A Focus Filmes optou por filmes de qualidade, como “On a Clear Day“, que traz Peter Mullan como homem de meia-idade que, para aumentar sua auto