Compensações ambientais de Belo Monte são exemplo para o mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de novembro de 2012 as 13:35, por: cdb

Nem todos deram a devida atenção, mas há um aspecto de fundamental importância no financiamento aprovado pelo BNDES para a hidrelétrica de Belo Monte, no Xingu (PA). Dos R$ 22,5 bilhões que serão financiados, R$ 3,2 bilhões serão usados para compensações dos impactos ambientais e sociais.

Esse valor é um exemplo para o mundo e desmente todo o discurso dos que se opõem à construção da usina. Belo Monte será a terceira maior usina hidrelétrica do mundo e representará uma condição essencial para a redução do uso de combustíveis fósseis e poluentes na produção de energia.

Segundo o BNDES, esse é o maior valor de um empréstimo do banco na história concedido a um único projeto. O empreendimento todo está avaliado em quase R$ 29 bilhões.

E os R$ 3,2 bilhões também representam o maior valor já aprovado para iniciativas socioambientais, equivalente a 11,2% do total de recursos aplicados na usina. Para cada liberação de recursos, deverá ser comprovada a regularidade ambiental do projeto. Ou seja, o governo está absolutamente comprometido com a questão socioambiental, contrariando o discurso fácil de quem se opõe a Belo Monte.

O financiamento inclui ainda a aprovação de R$ 3,7 bilhões para compra de equipamentos dentro do Programa de Sustentação de Investimento (PSI). O projeto deverá criar 18,7 mil postos de trabalho diretos e 23 mil indiretos durante as obras.

 

A energia gerada por Belo Monte vai representar 33% da expansão de capacidade do país prevista entre 2015-2019, equivalente ao abastecimento de 18 milhões de residências (60 milhões de pessoas) ou ao consumo das regiões Sul e Nordeste juntas.