Como prevenção, EUA “clonam” monumentos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de janeiro de 2003 as 22:19, por: cdb

Os Estados Unidos estão “clonando” a Estátua da Liberdade e outros monumentos famosos, para impedir que atentados de grupos extremistas destruam para sempre os ícones norte-americanos. Pelo plano de clonagem arquitetônica, as dimensões dos monumentos são digitalizadas, de modo a serem reconstruídos exatamente iguais em caso de danos aos símbolos originais.

As informações digitais serão duplicadas e armazenadas no Arquivo Nacional da Biblioteca do Congresso e, ao mesmo tempo, em uma localidade secreta, sob sofisticadas medidas de segurança.

Os dados, obtidos a partir de tecnologia a laser tridimensional, estão sendo recolhidos por uma equipe de especialistas da Texas Tech University.

“Se alguém detonar uma bomba nuclear portátil no Monte Rushmore, por exemplo, desfigurando os rostos de George Washington, Thomas Jefferson, Theodore Roosevelt e Abraham Lincoln, será possível, a partir de agora, realizar a reconstrução e reparar os danos de modo perfeito”, explicou Don Striker, responsável pelo Memorial Nacional do Monte Rushmore.