Comércio pensa em reduzir juros ao consumidor

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de outubro de 2003 as 21:33, por: cdb

O corte de um ponto porcentual da taxa básica de juros frustrou a expectativa do comércio, mas já há redes de lojas que planejam reduzir os encargos ao consumidor para aproveitar as vendas do fim do ano.

A Lojas Cem estuda a possibilidade de cortar de 4,9% para 4,5% ao mês a taxa máxima de juros dentro de uma semana.

– Essa é uma estimativa. Deveremos avaliar melhor os números nos próximos dias, mas com certeza vamos reduzir – afirma o supervisor-geral da rede, Valdemir Colleone. Segundo ele, a cada corte de 0,5 ponto porcentual nos juros, a venda cresce 5%.

A Arapuã é outra rede que está aproveitando o embalo para reduzir as taxas. Logo após o anúncio do Comitê de Política Monetária do Banco Central, a empresa informou que reduziu de 2,9% para 2,5% ao mês os juros do cartão de crédito em até 12 vezes.

Já a Casas Bahia, que sempre reduz os juros ao consumidor após os cortes da Selic, desta vez não vai alterar as taxas. “O corte foi insuficiente. Esperávamos dois pontos porcentuais”, diz o diretor administrativo-financeiro, Michael Klein.

Na opinião do presidente da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), Abram Szajman, o corte foi pequeno e havia espaço para uma redução de pelo menos dois pontos porcentuais.

Para o presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Guilherme Afif Domingos, a decisão do Copom “foi conservadora e ficou abaixo das expectativas do setor real da economia”.

O presidente da Acrefi, entidade que reúne as financeiras, Ricardo Malcon, diz também que a decisão frustrou a expectativa do setor, que apostava num corte de 1,5 ponto porcentual. Com essa pequena redução, ele não acredita que as financeiras irão alterar taxas nas próximas semanas. “O corte foi muito pequeno.”