Comércio do Rio espera vender 15% a mais no Natal deste ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de dezembro de 2010 as 13:05, por: cdb

>
22/12/2010Comércio do Rio espera vender 15% a mais no Natal deste ano

Alana Gandra
repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O Natal deste ano deverá representar para o comércio do Rio de Janeiro aumento de até 15% nas vendas em relação ao ano passado, de acordo com pesquisa feita com 750 empresários do setor. “A pesquisa apontou que teremos um Natal com vendas muito generosas. E todo o período do alto verão, que se estende até o carnaval, nós acreditamos que vai ser forte em termos de turismo. Então, há uma sustentação de vendas. Em todo o período, o aumento deve ficar em torno de 12% sobre o ano passado”, disse à Agência Brasil o economista Fernando Mello, chefe do Centro de Estudos do Clube dos Diretores Lojistas do Rio (CDL-Rio).

Além do turismo, Fernando Mello explicou que, no caso do Rio de Janeiro, há outro fator que contribuiu de forma positiva para o comércio este ano, que foi a instalação de unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) em comunidades até então dominadas pelo tráfico de drogas. “As pessoas se animaram muito com a divulgação dessa pacificação das favelas mais perigosas e com o aumento da segurança no Rio de Janeiro”.

De acordo com dados do CDL-Rio, o turismo tem influência direta em 67% das vendas do comércio carioca. A rede hoteleira está funcionando com lotação que já supera a do ano passado e os lojistas estão estimulando o consumo por meio de promoções, descontos e lançamento de produtos.

Segundo revelou o economista, o último trimestre de 2010 foi muito bom para o comércio, com quitação de dívidas em alta (redução da inadimplência) e aumento das consultas de cadastro de crédito.

Os ramos que têm se destacado nas vendas neste fim de ano são os eletrodomésticos e os eletroeletrônicos, além dos tradicionais segmentos de vestuário e brinquedos. “Há um destaque muito grande, este ano, na parte de eletrodomésticos e eletroeletrônicos. Um dado interessante é que foram vendidos mais ventiladores e aparelhos de ar-condicionado do que telefone celular, que era um presente sempre procurado pelos consumidores”.

O Natal deste ano já tem um candidato a vedete, que invadiu as lojas com muitos modelos, tamanhos, tecnologias e preços em queda. “Outro objeto de grande venda que surpreendeu, porque não é muito comum nessa época do ano, foram os aparelhos de televisão”, disse Mello.

Edição: Vinicius Doria

Leia também:

Fecomércio-DF prevê alta de 11,16% no faturamento do varejo no Natal em Brasília Comércio registra 16% de crescimento nas vendas na primeira quinzena de dezembro Comércio varejista terá melhor Natal desde a implantação do Plano Real, prevê CNDL