Comerciantes de artigos religiosos do Mercadão de Madureira fazem carreata para Iemanjá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de dezembro de 2010 as 12:36, por: cdb

>
29/12/2010Comerciantes de artigos religiosos do Mercadão de Madureira fazem carreata para Iemanjá

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Com o objetivo de resgatar a cultura afro-brasileira no Mercadão de Madureira, ponto de comércio popular na zona norte do Rio, comerciantes e religiosos promovem hoje (29) a 6ª Festa de Iemanjá do Mercadão de Madureira. Um caminhão com oferendas e uma imagem de Iemanjá, com 2 metros de altura, junto com ônibus fretados para levar os simpatizantes, vão seguir até a praia de Copabacana, na zona sul da cidade, para um ritual em homenagem à rainha do mar. A expectativa é de que 5 mil pessoas passem pelo local no final da tarde.

“A gente tem o nosso espaço, a nossa cultura resgatada, e o povo gosta desse ritual. Às vezes são pessoas comuns que nem têm religião, mas gostam dessa cultura. Eles aprenderam a ver aquela energia do mar e fazer aquele pedido de agradecimento. A gente incentiva essa cultura, porque é positiva”, disse Helio Sillman, coordenador do evento.

Sillman contou que a primeira festa de Iemanjá ocorreu em 2003 para homenagear e agradecer mãe de quase todos os orixás. Segundo ele, é muito importante resgatar essa cultura, que é cultivada no Mercadão de Madureira há mais de 30 anos. Ele afirmou que o dia 29 será a data oficial da festa nos próximos anos.

Após a entrega das oferendas e do ritual, estão previstas diversas atividades culturais. Quatro danças de representantes da cultura afro vão fazer uma apresentação de aproximadamente 20 minutos cada, em frente a uma arquibancada que será montada no local.

“São colocados os barcos e as oferendas, os pedidos e agradecimentos e esse caminhão leva para a areia de Copacabana. Lá, nós montamos uma tenda onde será feito todo o ritual religioso, que vai fazer as oferendas, energizar todos os pedidos e agradecimentos que são feitos pela população”, explicou Sillman.

Edição: Talita Cavalcante