Comerciantes aceleram os preparativos para a festa do revéillon em Copacabana

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de dezembro de 2010 as 14:40, por: cdb

>
31/12/2010Comerciantes aceleram os preparativos para a festa do revéillon em Copacabana

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Enquanto milhares de pessoas se dirigem à Praia de Copacabana à espera do início da festa de revéillon, dezenas de vendedores enfrentam hoje (31) uma jornada de muito trabalho para providenciar gelo ou carregar engradados de bebidas pelas areias da praia.

A vendedora Kesia Caetano, 28 anos, chegou cedo para não ter problemas com o resfriamento da mercadoria. “O gelo é fundamental, não só no revéillon, como no Carnaval e em outras festas. Porque, quando chega uma certa hora, ninguém encontra gelo em canto nenhum”, explicou, reclamando que, apesar da grande organização, o número de banheiros químicos espalhados pela orla não é suficiente.

Comerciante autorizada há mais de cinco anos na orla de Copacabana, Vera Lúcia de Jesus Silva, 48 anos, que mora em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, acredita que o dia vai ser cansativo, mas espera conseguir, com a venda, o suficiente para saldar as dívidas de 2010. “O isopor [com as bebidas] é pequeno, mas eu pretendo faturar pelo menos uns setecentos contos [R$ 700]. Já me ajuda a pagar meu aluguel, que está atrasado”, disse bem-humorada. Com uma dívida de dois meses de aluguel em atraso, ela espera trabalhar até as 17h do primeiro dia de 2011.

O garçom aposentado Hugo Frias, 69 anos, se ofereceu para voltar a trabalhar como reforço de fim de ano num restaurante próximo ao Hotel Copacabana Palace, epicentro da festa. Na expectativa de Frias, a comissão e a gorjeta para os funcionários esse ano devem ser maiores. “Muito turista, muita gente. Esse ano tem mais turista que no ano passado”, disse.

Moradora de Irajá, na zona norte do Rio, Janete Martins, 47 anos, como muitos visitantes, cumpriu com seu ritual de levar como flores, em oferenda a Iemanjá, palmas de Santa Rita. Ela acredita que despejar flores nas águas da orla carioca traz boas vibrações para o ano que se inicia. “Não importa o local, o que importa é o pensamento, a fé e o pedido de dias melhores”.

Nas ruas, muitos turistas começam a fotografar os palcos dos shows que vão animar a festa da virada. Os moradores de Copacabana, como Denise Barreto, de 50 anos, parecem estar acostumados com a movimentação atípica dessa época do ano. “Pelo fato de eu morar em Copa, a festa é sempre aqui em casa. Eu acho muito bom. Sempre venho com a família para ver os fogos”, contou.

As balsas, carregadas com os tradicionais fogos de artifício, já estão sendo rebocadas para os pontos determinados, a cerca de 400 metros da areia.

Edição: Lana Cristina