Começa assentamento de tubulões na Barra da Tijuca

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de março de 2004 as 10:25, por: cdb

Os primeiros 1.036 metros de tubulões do emissário submarino da Barra da Tijuca já começaram a ser assentados na manhã desta quarta-feira. O transporte deles desde o Caju, na Zona Portuária do Rio, começou no início da tarde de terça. Segundo o assessor de Desenvolvimento e Gestão da Cedae (Companhia Estadual de Águas e esgoto), Roney Martins Moreira, que acompanhou o serviço de lancha e helicóptero, tudo transcorreu normalmente.

Peça importante do Programa de Saneamento da Barra da Tijuca e Jacarepaguá (PSBJ), a tubulação, ao ser concluída, deverá ter 5.698 metros de extensão. Ela será transportada, em mais três partes, nos próximos 15 dias, por um total de 11 rebocadores. O percurso até o píer é de 53 quilômetros. 

A Cedae já investiu, desde 2001, mais de R$ 78 milhões na Barra da Tijuca, através do Programa de Saneamento da Barra e Jacarepaguá (PSBJ). A estação de tratamento de esgotos da Barra, com 90% das obras prontos, será terminada ainda este ano.

Além do emissário submarino, serão concluídos também o emissário terrestre e 50% da rede coletora de esgotamento sanitário de Jacarepaguá e 40% da Barra. Construída para tratar até 5.1 mil litros de esgoto por segundo, a estação tratará 1,3 mil litros/segundo, provenientes do Itanhangá, Joatinga, Centro da Barra, Jardim Oceânico, Tijucamar, Marapendi, Novo Leblon, Santa Mônica, Lagoa da Barra e Jacarepaguá.

Sem invadir a via pública, a Cedae já começou também a perfurar um túnel de três metros de diâmetro, sob a Avenida das Américas, na altura do Bosque da Barra, para dar passagem ao emissário terrestre, que ligará a ETE Barra ao emissário submarino.

No Recreio dos Bandeirantes, a companhia procura local para instalar o canteiro de obras e alojar máquinas e operários e fazer uma série de obras de vulto. Na região de Jacarepaguá, que abrange também a Avenida Ayrton Senna, onde as obras transcorreram em ritmo lento devido ao pedido de concordata de uma das empreiteiras, o problema já foi superado e as obras retomadas. Ali, já foram assentados mais de três mil metros de troncos, redes e recalques de elevatórias, com aplicação de R$ 12,5 milhões na região, restando investir cerca de R$ 25,7 milhões de um total de R$ 38,2 milhões.

A segunda etapa das obras em Jacarepaguá e na Barra, que deve durar 18 meses, já se encontra em processo de licitação.