Começa a temporada do Brasileirão, cheia de surpresas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de abril de 2006 as 21:13, por: cdb

Começou neste final de semana o Campeonato Brasileiro de 2006, com vinte clubes de nove Estados do país, em 38 rodadas de turno e returno, pontos corridos, programado para se estender até 3 de dezembro. Logo de saída, um resultado animador: No Parque Antártica, a Ponte Preta de Campinas bateu o Palmeiras do técnico Émerson Leão, 3 (Almir, Luís Mário e Douglas, contra) x 2 (Cristian e Edmundo). Com as suas bandeiras e as suas faixas de cabeça para baixo, milhares de torcedores do Palmeiras esvaziaram as arquibancadas antes dos dez minutos derradeiros do jogo.

O Fluminense do Rio de Janeiro, também fora de casa, bateu o Atlético Paranaense, na Kyocera Arena, por 2 (Marcelo e Rogério) x 1 (Pedro Oldoni). A Ponte Preta e o Fluminense foram os únicos dos clubes do torneio a conquistarem três pontos nos gramados dos seus inimigos.

Além do Corinthians, detentor do troféu, São Paulo participa com mais cinco representantes: o Palmeiras, a Ponte Preta, o Santos, o São Caetano e o São Paulo. Quatro times são do Rio: o Botafogo, o Flamengo, o Flu e o Vasco da Gama. O Rio Grande do Sul entra com três competidores: o Grêmio, ganhador da Série B, o Internacional e o Juventude de Caxias.

O Paraná se apresenta com dois contendores: Atlético e Paraná. Completam o rol de disputantes o Cruzeiro de Minas Gerais, o Figueirense de Santa Catarina, o Fortaleza do Ceará, o Goiás e o Santa Cruz de Pernambuco. Os quatro últimos na tabela desabarão à Série B do certame de 2007.

Pelos títulos que conquistaram em 2005, o Grêmio e o Corinthians realizaram, no Olímpico de Porto Alegre, simbolicamente, o cotejo mais significativo da jornada inaugural. Graças à competência estratégica de Mano Menezes, o seu treinador, os anônimos do Grêmio dominaram, tranquilamente, os famosos do Corinthians, que não conseguiram se desvencilhar da marcação implacável dos rivais.

Não serve de atenuante, para o Corinthians, a arbitragem ruim do mineiro Álvaro Quelhas, que tolerou a agressividade dos atletas do Grêmio, principalmente Giovanni, e que, aos 16′ do prélio, ignorou um pênalti claro de Pereira em Nilmar.

Vencedor da Libertadores e do Mundial da FIFA, o seu elenco visivelmente fatigado por sua viagem à altitude de Cuzco, no Peru, onde sobrepujou, na quarta-feira, o Cienciano local, 2 x 0, o São Paulo precisou de um pênalti cobrado por Rogério Ceni, para superar o Flamengo, no Morumbi, 1 x 0. Campeão regional, o Santos visitou, no Serra Dourada, o perigoso Goiás — mas, num desafio sem emoções, ficou em 0 x 0.

Resultados:

Juventude (três pontos) x Paraná (zero): 1 x 0
Vasco (um) x Internacional (um): 1 x 1
Grêmio (três) x Corinthians (zero): 2 x 0
São Caetano (três) x Cruzeiro (zero): 2 x 1
Botafogo (três) x Fortaleza (zero): 1 x 0
São Paulo (três) x Flamengo (zero): 1 x 0
Palmeiras (zero) x Ponte Preta (três): 2 x 3
Atlético PR (zero) x Fluminense (três): 1 x 2
Santa Cruz (um) x Figueirense (um): 0 x 0
Goiás (um) x Santos (um): 0 x 0