Comando do PSDB critica aumento dos gastos públicos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de janeiro de 2005 as 16:07, por: cdb

O Comando Nacional do PSDB endureceu hoje as críticas, centrando fogo no aumento dos gastos públicos do governo federal em 2004. Adotando um discurso afinado, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin, e de Minas Gerais, Aécio Neves, além do novo presidente nacional do partido, senador Eduardo Azeredo (MG), anunciaram que a legenda adotará uma postura mais dura de combate e de cobrança às promessas feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a campanha presidencial de 2002.

– O PSDB tem sido compreensivo, esperando tanta promessa, tanta bazófia, que ia fazer e acontecer. Mas, depois de dois anos, tem de dizer: o que foi feito? – afirmou Fernando Henrique resumindo o tom do encontro de quase três horas dos tucanos, em que Azeredo assumiu o cargo do prefeito de São Paulo, José Serra que se licenciou para cuidar, exclusivamente, dos interesses municipais.

Os tucanos foram enfáticos sobre o acréscimo de gastos públicos da administração federal, segundo Neves, de 25% no ano, em relação a 2003.

O ex-presidente referiu-se à elevação dos dispêndios como “gastança”, que seria contida por uma política fiscal apertada, que leva à ampliação da taxa de juros, prejudicando a população.

– Essa não é uma política que o PSDB recomenda – afirmou. No mesmo tom, Alckmin criticou a gestão Lula por não cortar os gastos públicos.

– Esse governo não tem austeridade fiscal – criticou.