Com o desafio de enfrentar a guerrilha, Colômbia troca de ministro da Defesa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de agosto de 2011 as 14:12, por: cdb

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Alvo de críticas de alguns setores da sociedade da Colômbia, o ministro da Defesa, Rodrigo Rivera, pediu demissão do cargo e, imediatamente após sua saída, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, nomeou hoje (31) como titular da pasta, Juan Carlos Pinzón, que é doutor em economia com vasta experiência em organismos internacionais.

O principal desafio do governo Santos é o enfrentamento das ações lideradas pelas duas principais guerrilhas que atuam no país – as Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o Exército da Libertação Nacional (ELN). Segundo alguns setores da sociedade colombiana, Rivera não atuava com o rigor necessário.

Ao designar Pinzón para a função, Santos ressaltou sua competência e preparo para o cargo. Segundo o presidente, o novo ministro da Defesa “está familiarizado” com as operações militares e saberá como agir. Santos também elogiou a lealdade do novo ministro.

“Dr. Juan Carlos, seja muito bem-vindo, você terá um grande desafio à sua frente. Mas, como eu o conheço, sei que irá cumprir esse desafio com o máximo de detalhes e terá meu total apoio. E, aí, estaremos trabalhando juntos, em equipe, com as Forças Armas e todos do governo para continuar a servir o nosso país “, disse o presidente colombiano dirigindo-se ao ministro nomeado.
 
Economista com especialização em relações internacionais e saúde pública, Pinzón construiu sua trajetória intelectual e política com passagens nos Estados Unidos. De 2006 a 2009, ele foi vice-ministro da Defesa de Estratégia e Planejamento da Colômbia. Na função, Pinzón ajudou a organizar a proposta de consolidação de segurança democrática no país.

O novo ministro também trabalhou no Banco Mundial e foi diretor executivo para o Brasil, a Colômbia, a República Dominicana, o Equador, o Haiti, o Panamá, as Filipinas, o Suriname, Trinidad e Tobago, no órgão. Ele atuou ainda como secretário particular do Tesouro da Colômbia, de 2000 a 2002.

As informações são da Presidência da República da Colômbia.

Edição: Lana Cristina