Coluna do Sérgio Nogueira Lopes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de janeiro de 2005 as 12:55, por: cdb

Moto-perpétuo
Desde os primórdios da civilização, o homem tenta inventar o  moto-perpétuo. Até agora, não conseguiu. A tentativa mais bem sucedida é  a dívida pública brasileira. Embora em 2004 o governo tenha pago cerca de  R$ 100 bilhões em juros, a dívida em títulos públicos teve crescimento de  11% no ano passado e alcançou R$ 811,97 bilhões. Nesse total não estão
 incluídas nem a dívida externa do governo federal, que está nas mãos de  investidores de dezenas de países, nem os débitos internos e externos  feitos por Estados, municípios e empresas estatais. O crescimento é  causado pela alta dos juros. Como a taxa Selic serve para remunerar mais  da metade dos títulos do governo federal, quanto maiores os juros, mais  cresce a dívida. É o moto-perpétuo à brasileira.
 
Julgamento
Duas emissoras de televisão, uma americana e uma britânica, encontraram  uma maneira criativa de contornar a proibição de filmagens do julgamento de Michael Jackson, que começa no dia 1do mês que antecede. A Entertainment Television e a  British Sky Broadcasting  vão apresentar encenações do julgamento. Serão  cinco programas diários de meia hora. Michael Jackson, de 46 anos, se  declarou inocente das acusações. O julgamento será  eletrizante.
 
Isonomia
Após o recesso, a Câmara vai analisar emenda constitucional do deputado  Júlio Redecker (PSDB-RS), que prevê a renúncia de senadores, deputados e  vereadores que pretendam candidatar-se a outros cargos eletivos. A  Constituição garante que todos são iguais perante a lei, mas a atual  legislação privilegia os integrantes do Legislativo, ao permitir que  concorram a outros cargos sem renunciar aos mandatos, ao contrário do que  ocorre com os integrantes do Executivo. Ou seja, o projeto é procedente,  mas deve ser rejeitado em plenário, em função do corporativismo que reina  no Congresso.
 
Saudades
Com saudades de sua cidade natal, Uiraúna, no  interior da Paraíba, a  deputada Luiza Erundina (PSB-SP) deseja criar o Dia Nacional do Forró. A  data, segundo a parlamentar paulista, tem como objetivo homenagear o  músico Luiz Gonzaga do Nascimento, conhecido como o “Rei do Baião”. A  proposta já tem o aval da Comissão de Educação do Senado e depende agora  da aprovação do plenário. É muita futilidade.
 
Estatística
A Polícia do Estado de São Paulo foi apanhada em flagrante reduzindo as  estatísticas de homicídios. Os boletins registravam registrados  “encontro de cadáver” e “morte a esclarecer”, por exemplo, fazendo com  que estas mortes fossem consideradas “ocorrências não-criminais”,  classificações destinadas a casos em que não há sinal externo de  violência e a vítima poderia ter sofrido morte natural. Sendo assim, ficava fácil para a Secretaria de Segurança paulista reduzir a  criminalidade.
 
Esquizofrenia
 
Do alto de seu avião de 153 milhões de reais, Luiz teve a coragem de pedir mais “consciência social” aos jovens brasileiros. Vai ser difícil. O que geralmente os Estados do Mundo Miserável pedem e são prontamente atendidos é ignorância, violência, pobreza e desigualdade. Para isso contam com Atores Oficiais que usam a poderosa máquina das comunicações para enganar a população. Luiz não poderia encontrar um momento pior para relançar o antigo e maravilhoso Projeto Rondom, quando os universitários brasileiros viajavam de carroça, barco e até de jegue levando seu espírito de solidariedade e apoio às populações abandonadas do norte e nordeste do Brasil.
 
 
 
 
Pobre metido
 
Por não ter nenhum conflito interno; violência, pobreza, desemprego e já haver resolvido o grave problema dos 50 milhões de brasileiros mergulhados na mais extrema miséria, o governo brasileiro se propôs  mediar