Coleções resgatam comediantes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de janeiro de 2005 as 14:09, por: cdb

As locadoras de DVD passaram, finalmente, a ter mais graça. Depois de uma fase inicial de implantação de mercado, marcada por lançamentos maciços de blockbusters, as lojas começaram a receber clássicos variados, especialmente de comédia. Na quarta-feira, quando deve chegar às prateleiras a caixa com a nova coleção dos irmãos Marx, boa parte dos precursores do humor cinematográfico, avós artísticos de figuras tão distintas como Woody Allen e a turma do Casseta e Planeta, estará à disposição do público aficionado. São nomes como Lucille Ball, W. C. Fields, Charles Chaplin, Os Três Patetas, além dos próprios Marx.

A caixa que a Universal lança nesta semana, a um preço médio de R$ 137, traz os cinco primeiros filmes dos irmãos Marx, entre eles, Diabo a Quatro (1933), considerado por muitos o melhor trabalho dos comediantes. É neste longa que está a célebre cena do espelho, em que Harpo e Chico, vestidos da mesma forma que Groucho, tentam enganá-lo fingindo ser seu reflexo – é simplesmente hilariante.

O humor nonsense e anárquico, com frases rápidas, trocadilhos, jogo de palavras e metalinguagem era a base do talento dos irmãos, especialmente de Groucho, autor de frases lapidares como “Inteligência militar é uma contradição em termos” ou “O casamento é uma instituição maravilhosa, mas quem quer viver numa instituição?”. A caixa da Universal vem se juntar a outras já lançadas, como os filmes seguintes (entre eles, o também clássico Uma Noite na Ópera), reunidos pela Warner, e Apostando Tudo (Multi Media), compilação de uma série de programas de perguntas comandados por Groucho nas décadas de 1950 e 60.

Mas, se com tal irreverência os Marx não são unanimidade o que dizer do comediante W. C. Fields? Com um humor baseado na própria figura de bêbado rabugento que cultivava na vida real, ele rosnava mais que falava e seus textos não poupavam insultos a crianças inconvenientes, mulheres conservadoras e homens sem personalidade. Era autor de frases do tipo “Meu peixe favorito? Uma piranha na banheira de minha ex-mulher” ou “Um homem que detesta crianças e cachorros não pode ser mau de todo”.

Ausente mesmo em vídeo, Fields finalmente chega ao mercado brasileiro por meio da Magnus Opus, que lança uma caixa com três DVDs (R$ 116) – em dois, estão longas realizados pelo comediante (O Guarda e O Selvagem) e, no terceiro, uma seleção de curtas, incluindo seu primeiro trabalho, O Picareta de 1915, além do raro O Mestre do Golfe.

Se o humor cáustico e inteligente de Fields pede espectadores acostumados ao fel, o mesmo não pode se dizer da adorável Lucille Ball, uma das melhores comediantes da história da TV. Ao lado do marido Desi Arnaz, ela estrelava o seriado I Love Lucy, em que vivia uma dona de casa cheia de ambições artísticas. Separada, Lucille decidiu retomar a personagem, agora enviuvada, em The Lucy Show, que se tornou uma das série mais populares dos anos 1960 na TV americana.

É justamente essa sitcom que a Multi Media lança, até o final do mês, na coleção The Lucy Show, ainda sem preço definido. Como de hábito, são histórias cotidianas (como a instalação de um chuveiro enguiçado) que se transformam em verdadeiras jóias do humor nas mãos de Lucy.

A Multi Media, aliás, tem contribuído para o resgate da obra dos grandes comediantes. Além de Lucille e do programa de perguntas de Groucho Marx, a empresa lançou uma coleção com 17 curtas do início da carreira de Charles Chaplin, realizados para os estúdios Essanay e Mutual, entre os anos de 1915 e 1917. Lançou também o DVD Os Três Patetas, compilação com três episódios produzidos em 1936, 47 e 49, e ainda a coleção Abbot & Costello, comediantes que tentaram (com relativo sucesso) ressuscitar a fórmula tornada clássica pela dupla O Gordo e o Magro.

“O lançamento de tantos títulos é justificado pela figura do colecionador”, comenta o crítico Celso