CNT/Sensus aponta Lula na frente e Serra em declínio nas pesquisas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de setembro de 2002 as 14:03, por: cdb

Para aferir a intenção de voto do brasileiro, a 55ª Pesquisa CNT/Sensus usou duas variáveis. Na primeira delas, com voto espontâneo, o presidenciável Luiz Inácio Lula da Silva manteve-se em primeiro lugar, com 34,1%; o candidato José Serra aparece em segundo lugar, com 14,5%; Anthony Garotinho em terceiro lugar, com 11,4% e; Ciro Gomes com 9,5%. Na segunda variável (voto estimulado), Lula teve 40,6%; José Serra, 18,8%. Garotinho registrou 15,1% e Ciro Gomes, 12,7%. José Maria de Almeida aparece com 0,5% e Rui Costa Pimenta 0,2%.

Indecisos, brancos ou nulos somam, juntos, 12,3%.

A 55ª Pesquisa CNT/Sensus, divulgada hoje (30 de setembro), pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), registrou uma queda generalizada nos subíndices (Satisfação com o País, com o Estado, com a Cidade, com a Economia Pessoal e com a Situação Social) que compõem o Índice de Satisfação do Cidadão (ISC). Com isso, o índice, que se encontrava num patamar próximo de 50,0%, passou a situar-se em 48,8%.

Dos componentes do Índice, as avaliações relacionadas à Satisfação com o País, com o Estado e com a Cidade encontram-se na faixa positiva, acima de 50%. Apesar destes resultados positivos, as baixas avaliações atribuídas pelos entrevistados para a Situação Econômica Pessoal e para a Situação Social, ambas no patamar de 30%, e a queda verificada nos demais subíndices contribuem para a manutenção do ISC num patamar pouco favorável.
A Pesquisa CNT/Sensus ouviu 2.000 pessoas, no período de 27 a 29 de setembro, em 24 Estados, das 5 Regiões brasileiras.
A pesquisa voltou a registrar uma queda na popularidade do presidente Fernando Henrique Cardoso. A avaliação negativa do presidente avançou 4,2% entre agosto e setembro. O desempenho do presidente Fernando Henrique é aprovado por 37,6% dos entrevistados contra 50,9% que o desaprovam.
Também os governadores de Estado e prefeitos registraram um crescimento nas avaliações negativas.
O subíndice Situação Econômica Pessoal foi o único a apresentar evolução positiva em setembro. Esse resultado foi influenciado, basicamente, pela expectativa de evolução da renda pessoal nos próximos 6 meses. Na pesquisa anterior, 32,5% dos entrevistados acreditava num aumento da renda nos próximos 6 meses contra 20,3% que esperavam uma redução da mesma. Nesta edição do ISC observou-se tanto um crescimento daqueles que esperam aumento da renda (35,1%) quanto uma redução naqueles que trabalham com uma expectativa de perda de renda (16,9%).

No subíndice Situação Social destaque para a preocupação com a violência, que ficou pior nos últimos seis meses de acordo com 89,3% dos entrevistados, e com a pobreza, pior na opinião de 74,1% dos entrevistados.

INTERESSE NAS ELEIÇÕES

Subiu para 31,4% o índice daqueles que têm muito interesse pela eleição a presidente da República. Em agosto, era de 24,3%. Aumentou, também, o índice daqueles que têm interesse médio: de 40,4% (agosto) para 41,1%; enquanto caiu de 34,4% para 26,9% entre aqueles que não tem interesse no pleito.

A mesma tendência foi registrada quanto ao pleito ao governo dos Estados. Com muito interesse subiu de 23,5% para 28,3%; com interesse médio de 38,0% para 41,1%, enquanto o índice entre aqueles que não têm interesse pelo pleito caiu de 36,4% para 29,1%.

FHC – TRANSFERÊNCIA

7,6% dos entrevistados votariam apenas no candidato apoiado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Esse índice, em agosto, era de 5,3%. Entre aqueles que poderiam votar no candidato apoiado pelo presidente da República houve um pequeno recuo de 33,4% (em agosto) para 33,0%.
Já entre aqueles que não votariam no candidato de FHC, o índice variou de 53,9% (em agosto) para 53,7% em setembro.

CRITÉRIOS DE VOTO

O Desenvolvimento Econômico é, para 36,5%, o que mais se leva em conta na plataforma eleitoral dos candidatos à Presidência da República. Os programas sociais e as obras (19,8%), a manutenção do Plano Real (15,8%) e a reforma agrária (15,2%) são outros itens impor