CMAI ENSINA RECEITAS COM CASCAS E TALOS DE ALIMENTOS PARA FAMILIARES DE ALUNOS

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012 as 13:00, por: cdb

29/02/2012 | 15:46

CMAI ENSINA RECEITAS COM CASCAS E TALOS DE ALIMENTOS PARA FAMILIARES DE ALUNOS

Oficina culinária tem objetivo de conscientizar os participantes sobre ganhos nutricionais e econômicos da prática de reaproveitamento de alimentos

Familiares de alunos atendidos no Centro Municipal de Apoio à Inclusão (Cmai) Maria Thomé Neto, localizado no Setor Nova Suiça, recebem orientações para o reaproveitamento de alimentos em oficina culinária. Durante a semana, pais e responsáveis aprendem receitas com cascas, talos e sementes de produtos que seriam descartados.

O objetivo é conscientizar os participantes sobre os ganhos nutricionais e econômicos da prática. As receitas aprendidas também colaboram para a complementação de renda familiar, por meio da produção e comercialização dos pratos. As aulas ocorrem de segunda à quinta-feira. Também são ensinadas técnicas para aquisição, acondicionamento e armazenamento dos alimentos. O local dispõe de cozinha profissional e a oficina é ministrada por professores especializados, com formação em gastronomia e áreas da Educação.

O gastrônomo e professor, Renato Vieira, alerta que o Brasil é um país onde há grande desperdício alimentos. “Perdemos uma riqueza nutricional incomparável, que são as cascas e os restos de alimentos descartados todos os dias pelas pessoas, por uma questão cultural”. Segundo Vieira, quem realiza reaproveitamento de alimentos poupa 20% do orçamento mensal, aproveitando todas essas sobras que não seriam utilizadas: sementes, cascas, talos e sobras.

Para Leuma Damasceno Rodrigues, mãe de criança atendida há cinco anos no Cmai, a oficina mudou os conceitos na cozinha. “O legal é que não tem desperdício, aproveitamos tudo. Aprendi a preparar bolo de milho, utilizando a raspagem do sabugo. Não sabia fazer, foi inusitado”, afirma.

Dicas para Reaproveitar
Uma dica do gastrônomo é a reutilização do arroz no cotidiano. “É um alimento que oferece bastante flexibilidade no reaproveitamento: podemos fazer tortas, bolinhos assados e fritos, panquecas, doces gelados e outras variedades, desde que este arroz seja armazenado corretamente”, ensina.

Ao todo, são oito alunos por oficina, que são oferecidas pela manhã e à tarde. “Hoje estamos fazendo uma receita de bolo da casca do abacaxi, com cobertura de creme de hortelã e também uma torta salgada de arroz, que também utiliza sobras”, comenta o professor.