Ciro e Serra chamam-se de covardes pela Internet

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 31 de agosto de 2002 as 18:15, por: cdb

Tudo começou com a inclusão, no programa de José Serra no horário gratuito na TV, do trecho de uma entrevista em que Ciro Gomes chamava um ouvinte de “burro”. Passados 10 dias e algumas queixas mútuas junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os dois candidatos foram mais longe neste fim de semana: agora se tratam por “covardes”.

A gota d’água foi uma representação enviada por advogados da Frente Trabalhista – da qual o Partido Popular Socialista (PSS), de Ciro Gomes, é parte – ao TSE, relativa a inserções similares feitas pela equipe de Serra no restante da programação.

Além do horário eleitoral gratuito, cada candidato tem direito a um total diário de seis minutos ao longo da programação normal.

No caso do espaço que cabe a Serra, o telespectador tem sido surpreendido com imagens depreciativas de Ciro Gomes, sem qualquer indicação de que se trata de uma propaganda do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), de Serra.

Sem poder se confrontar na TV, Serra e Ciro vêm se digladiando por meio de suas páginas na Internet.

Ao comunicar que iria recorrer ao TSE, o site de Ciro publicou uma nota curta, intitulada “Esperteza ou covardia?”

No comunicado, a equipe do ex-governador do Ceará explica que a representação ao TSE pede que Serra identifique suas inserções na televisão, mostrando que se trata de uma iniciativa do PSDB.

“Desde o início da campanha eleitoral, a campanha tucana usa a estratégia de não assinar os comerciais que trazem agressões e ataques a Ciro Gomes. Serra não se identifica como o responsável pela propaganda. Fica a pergunta: esperteza ou covardia?”, diz a notícia no site de Ciro.

Os “tucanos” não demoraram para dar o troco. Logo publicaram um editorial on-line, sem qualquer assinatura, em que cobram “compostura” de Ciro Gomes.

Neste sábado, José Serra, em visita a Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, abordou diretamente a questão e não poupou o adversário de acusações.

“Ciro Gomes tem um programa de insultos. Quanto à covardia, basta dizer que enquanto ele era partidário e defensor da ditadura, eu lutava contra a ditadura. Ele é a última pessoa que tem moral para chamar alguém de covarde”, declarou Serra, em conversa com jornalistas antes de um encontro com lideranças de seu maior aliado, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

“Postura coronelesca”
No editorial na Internet, a equipe de Serra fez uma espécie de “tratado da covardia”, em termos pesados, citando Ciro Gomes nominalmente e reiterando acusações anteriores, em que o candidato do PPS foi chamado de “coronel” e comparado ao ex-presidente Fernando Collor de Melo.

Diz a nota:

“Compostura, candidato

Ciro Gomes na sua postura coronelesca e destemperada acaba de insultar novamente o candidato José Serra, desta vez chamando-o de covarde.

Covarde é quem agride um ouvinte chamando-o de burro.

Covarde é quem não deixa um estudante negro falar.

Covarde é quem manda seus aliados intimidarem fisicamente os aliados de Serra.

Covarde é quem fala uma coisa hoje e amanhã diz que não falou.

Covarde é quem foi do partido da ditadura e bajulava Fernando Collor no palácio.

Covarde é quem é beija a mão de poderoso, mas é valentão com fotógrafos e cinegrafistas, pessoas que são destratadas por ele, que se acha acima da lei, da Constituição e dos bons modos. Um reizinho de paróquia.

Se Ciro Gomes tem alguma coisa a dizer ao senador, que diga nos debates, duramente, com a força dos argumentos, mas que tenha a compostura que se espera de um candidato a presidente e não aja como um mauricinho mimado, tentando intimar os outros fisicamente só porque está perdendo a discussão”.