Ciro e Dutra visitam Petrópolis

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 13 de janeiro de 2003 as 20:11, por: cdb

A Prefeitura de Petrópolis, na região serrana do Estado do Rio, pediu ajuda aos ministérios das Cidades e da Integração Nacional e ao próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva para conseguir recursos para reconstruir a cidade, castigada pelas chuvas. Nesta terça-feira, os ministros Olívio Dutra e Ciro Gomes devem visitar o município.

O prefeito Rubens Bomtempo (PSB), que declarou situação de emergência no município pelos próximos 60 dias, enviou nesta segunda-feira ofício aos ministérios e ao presidente com informações sobre os estragos causados pelo temporal do último sábado. O valor do pedido de ajuda não havia sido divulgado até o início da noite desta segunda pela Prefeitura.

Bomtempo informou que o dinheiro deverá ser aplicado na pavimentação de 200 ruas, que tiveram o calçamento destruído e ficaram cobertas pela lama que desceu das encostas; na reconstrução de trechos da rede de água e esgoto e na recuperação de muros de contenção.

A Prefeitura já havia conseguido R$ 200 mil do Fundo de Defesa Civil do governo do Estado do Rio. O dinheiro deverá ser gasto em obras emergenciais. Por determinação do prefeito, o trabalho de limpeza da cidade está sendo feito inclusive de madrugada. Quatrocentos trabalhadores foram contratados em regime de emergência. No total, mais de mil pessoas foram mobilizadas.

A situação de emergência foi decretada até o fim do verão por causa da possibilidade de novas chuvas fortes. A tromba d´água que atingiu a cidade no sábado, além dos prejuízos na cidade, provocou a morte de 17 pessoas. Segundo o prefeito, 17 pessoas ficaram desabrigadas, e 26, desalojadas. Quem teve a casa condenada pela Defesa Civil receberá auxílio-aluguel da prefeitura.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ainda há previsão de chuvas para as próximas 48 horas. A meteorologista Ana Maria Mattos explicou que o temporal do último sábado foi causado pela passagem de uma frente fria pelo litoral da Região Sudeste, associada a áreas de instabilidade no continente. A frente está estacionada, o que significa que há possibilidade de novos temporais.

O prefeito fez duras críticas nesta segunda-feira ao ex-ministro da Integração Nacional Ney Suassuna, que responsabilizou o município pelas conseqüências do temporal. Bomtempo chamou Suassuna de negligente ao dizer que o governo Fernando Henrique Cardoso depositou com oito meses de atraso R$ 4,4 milhões dos R$ 62,5 milhões reivindicados pela Prefeitura há um ano, quando a chuva provocou outra tragédia em Petrópolis.