Cinco pessoas morrem em Minas vítimas da Hantavirose

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de junho de 2003 as 22:35, por: cdb

A hantavirose, uma doença rara e emergente, já provocou a morte de cinco pessoas este ano em Minas Gerais. A confirmação é do diretor do Centro Nacional de Epidemiologia do Ministério da Saúde – CENEPI, Jarbas Barbosa, que recebeu a informação da Secretaria de Saúde do estado.

Minas Gerais registrou este ano, até a semana passada, nove casos de infecção provocada pelo hantavírus e cinco pessoas morreram, três somente em Uberaba. O Triângulo Mineiro é a região de maior ocorrência da hantavirose no estado.

– No Brasil, desde que o CENEPI intensificou a vigilância, a partir de 1993, tem ocorrido uma média de 50 casos da doença por ano – informou Jarbas Barbosa. Ele disse que não há nenhum surto, nem epidemia de hantavírus no Brasil.

O sintoma da doença é uma virose que leva a um quadro pulmonar grave que pode provocar insuficiência respiratória no paciente e até a morte e por isso, deve ser tratado em um hospital.

Os desmatamentos indiscriminados são a principal causa do aparecimento do hantavírus. É uma doença silvestre transmitida por roedores, principalmente ratos, que habitam as matas.

Jarbas Barbosa diz que o processo de desmatamento provoca a escasez de alimentos naturais que os roedores silvestres encontram nas matas, e passem a procurar comida nas casas, galpões e armazéns de fazendas, onde a armazenagem inadequada de alimentos atrai esses animais.

As hantaviroses constituem-se numa doença com duas formas clínicas principais, a renal e a pulmonar. A renal é mais freqüente na Europa e Ásia, enquanto a pulmonar ocorre principalmente no continente americano, com os Estados Unidos e a Argentina registrando o maior número de casos.