Ciberataques aumentam em 64% só em 2002

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de julho de 2002 as 19:20, por: cdb

O ataque através da Internet a organizações públicas e privadas em escala mundial cresceu em 28% nos últimos seis meses, tendo como alvos principais empresas de tecnologia, serviços financeiros e grandes corporações. A informação faz parte de um estudo que acaba de ser divulgado pela Riptech, empresa especializada em segurança.

O estudo que foi batizado como “Internet Security Threat Report” aponta para a preocupante constatação de que – em relação ao mesmo período do ano passado – a ocorrência de ciberataques aumentou 64%, sendo que a principal vulnerabilidade detectada pela análise encontra-se no backbone de informações dos países. “A Web ainda é considerada um lugar muito perigoso e atividades como essas estão aumentando de maneira assustadora”, afirmou Elad Yoran, vice-presidente da companhia.

O relatório da Riptech rastreou brechas de segurança em mais de 400 organizações monitoradas pela empresa, o que incluiu companhias privadas, redes governamentais e entidades sem fins lucrativos, detectando mais de 180 mil ataques realizados com êxito entre janeiro e junho deste ano. A pesquisa aponta ainda que pelo menos outros 160 mil devem ocorrer contra os mesmos alvos até o final do ano.

Entre as informações relevantes levantadas pelo estudo está a de que 70% das companhias de energia elétrica monitoradas pela Riptech sofreram pelo menos um ataque grave nos últimos meses, contra os 57% registrados no ano anterior. E mais: foram contabilizadas 1.280 invasões contra essas companhias; outras 667 contra empresas da área de saúde e 617 do setor de manufatura.

Cerca de 80% dos ciberataques aconteceram a partir de um grupo de 10 países – EUA, Alemanha, Coréia do Sul, China, França, Canadá, Itália, Taiwan, Reino Unido e Japão – e 40% das 180 mil invasões foram realizadas através de computadores localizados nos Estados Unidos. A análise revela ainda que oas ataques costumam acontecer em dias de semana – caindo drasticamente entre sábado e domingo – com a quarta-feira ficando com a marca do dia com a maior incidência de ataques.

De acordo com o relatório, embora a maior parte dos ataques aconteça em países que são grandes usuários de Web, os hackers também mantêm atividades em localidades com infra-estruturas precárias – como Kuwait, Paquistão, Irã e Polinésia.